Linguagem Libras Facebook Twitter Intagram YouTube Linkedin Site antigo
Compartilhar no FaceBook Tweetar Compartilhar no Linkedin Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Email Imprimir
Publicado em: 31/03/2022 | Atualizado em: 04/04/2022

Startup da Tec Incubadora é graduada e dá início a sua expansão nacional

Evento na Tec Incubadora marcou a entrega dos diplomas de graduação da PediuFarma e mais três startups (Fotos: Tec Incubadora).

Paula Guatimosim

Em evento realizado dia 17 de março na Tec Incubadora – nova marca da Tec Campos - a PediuFarma e mais três startups – Lincar, Blitzar e Saluber – receberam seus diplomas de graduação. Na prática, explica Túlio Baita, coordenador do Programa de Incubação, significa que elas atingiram a maturidade de gestão proposta. No modelo de fases criado para a incubadora, esse nível equivale ao status de "foguete", que ainda prevê o acompanhamento/relacionamento das startups graduadas pelo período mínimo de um ano.

Startup que está entre os cases de sucesso da Tec Incubadora, a PediuFarma (https://blog.pediufarma.com.br), que lançou seu aplicativo em 2020, no município de Campos dos Goytacazes, em um ano conquistou outras cidades do Norte Fluminense como Macaé, São João da Barra e São Fidelis, e agora se prepara para a expansão nacional. Com 40 mil downloads, mais de 20 mil vendas, e valuation estimado em R$ 1 milhão, a PediuFarma recebeu aporte financeiro do Fundo de Investimento Goodz (https://www.linkedin.com/company/goodzcapital/?originalSubdomain=br) e passará a atuar, pela primeira vez, em uma capital brasileira: Curitiba. O sucesso da empreitada garantirá mais investimento do Fundo para a empresa alcançar a meta de conquistar mais quatro a seis capitais no segundo semestre de 2022. 

O oficial de Náutica da Marinha, Guilherme Pedra, um dos sócios da empresa, diz que foi procurado por diversos fundos de investimento, mas a escolha pelo Goodz nem mesmo foi motivada pela proposta comercial, mas pelo suporte oferecido a ele e ao sócio Frederico Fiúza. Ambos receberam treinamento em curso ministrado pela gonew.co (https://gonew.co), uma comunidade que oferece vários tipos de suporte em governança e inovação. O empreendedor também ressalta o apoio fundamental da FAPERJ, especialmente por meio da Tec Incubadora e do programa Startup Rio, no início do projeto.

“Curitiba será um grande desafio porque teremos que fazer a divulgação sem qualquer influência social, ao contrário do que foi aqui na região”, diz Pedra. Entusiasmado com os novos conhecimentos, o empreendedor parece já estar incorporando de vez a mentalidade do que é chamado de "nova economia". Assim como os investidores, ele aprendeu que primeiro é preciso perder dinheiro para depois ganhar. Especialmente quando se acredita, como no seu caso, que sua missão é fazer diferença para a comunidade.

“Somos relevantes para nossos parceiros, além de gerarmos impostos e contribuirmos para a formação de mão de obra especializada”, garante o engenheiro de produção, que com seu negócio ajudou e fortaleceu pequenas e médias farmácias. Muitas delas cresceram e precisaram aumentar o número de motoboys para darem conta da entrega dos pedidos. Na outra ponta, o consumidor também tem mostrado satisfação, assegura Pedra, citando o exemplo da cuidadora de idosos que antes precisava fazer "romaria" pelas farmácias para comprar todos os medicamentos de seus clientes e ainda entregar pessoalmente na residência de cada um deles e agora faz tudo pelo aplicativo.

Durante a pandemia, a PediuFarma cresceu mais de 1000% devido a alta demanda por medicamentos, pulando de 12 mil para 40 mil clientes.

Em Campos, a pandemia levou a PediuFarma a registrar crescimento de mais de 1000% em apenas dois meses. No município, o app tem cadastradas 50 farmácias de 28 redes e os clientes saltaram de 12 mil para 40 mil usuários. A startup também ajuda na formação de profissionais qualificados, contratando sempre estagiários de computação do Instituto Federal Fluminense (IFF). Na PediuFarma eles não só prestam serviço, mas também aprendem com o sócio Frederico Fiúza, “um mestre nato”, segundo Pedra.

“Seguindo a tendência mundial de escassez de mão de obra especializada, estamos perdendo todos os nossos estagiários após um ou dois anos, pois, devido a nossa baixa capacidade de remuneração eles são atraídos por salários até quatro vezes maiores”, relata o empreendedor, com a certeza de que assim também está contribuindo para que o investimento recebido retorne à sociedade. Ele também vem recebendo convites para ajudar outros empreendedores a viabilizarem seus projetos.

Sites de busca e comparação de preços de medicamentos não faltam na web. Mas o grande diferencial do aplicativo PediuFarma foi sua atuação regional. O resultado da busca indica o menor preço do remédio na farmácia mais próxima da casa do cliente, otimizando o tempo de entrega. Como o app faz as pesquisas e armazena os dados na nuvem, ocupa pouco espaço nos celulares dos clientes, é fácil de utilizar, além de ser gratuito, tanto para o usuário quanto para as farmácias participantes, que só pagam uma taxa quando a venda é concretizada.

“A Pediu Farma se destacou por despertar interesse e conquistar aporte financeiro de investidores, ainda no período de incubação”, diz Túlio Baita. Ele conta que a startup iniciou a sua trajetória na Tec Incubadora no curso de Plano de Negócios, um pré-requisito para participar do Programa de Incubação. Outra curiosidade é o fato de os sócios terem se conhecido no ambiente da incubadora, favorável ao networking e desenvolvimento das atividades relacionadas à inovação.

Coordenador do Programa desde 2019, Baita iniciou na Tec Incubadora como assistente de projetos, passando por consultor, diretor de tecnologia, além de ter conduzido o processo de certificação Cene (Centro de Referência e Apoio a Novos Empreendimentos) da Anprotec nos níveis 1 e 2, certificação na qual só três incubadoras do estado do Rio de Janeiro possuem. Coordenador do programa de incubação, desenvolveu o modelo de maturidade para as startups que inclui as cinco fases de evolução e seus pré-requisitos. Em síntese, os níveis podem ser explicados da seguinte forma: skate, quando a startup possui modelo de negócios validado; bicicleta, quando possui produto e/ou serviço para venda; carro, quando a startup já realiza vendas dos produtos e/ou serviços; avião, quando os processos de vendas e gestão maduros; e foguete, quando a startup possui a maturidade necessária para desenvolver relacionamento com a incubadora e mercado, esta última exclusiva de graduados.

O sócio da PediuFarma, Frederico Fiúza, comemora o status de foguete. Ao lado, o coordenador Túlio Baita e Guilherme Pedra.

Ao se graduarem, as empresas precisam apresentar planos de desenvolvimento da equipe, plano financeiro, com indicadores de crescimento e sustentabilidade; plano para expandir e/ou aprimorar a sua atuação no mercado, plano estratégico de gestão para medir o crescimento da startup e monitoramento constante da tecnologia e das melhorias realizadas no produto e/ou serviço já existente. Para atingir este nível, passaram por um processo que envolve consultorias mensais em cinco eixos: empreendedor, tecnologia (criação do MVP/protótipo para testes), mercado (visão estratégica para projetar a expansão do negócio), gestão (visão pós-incubação) e capital, ou seja, monetização do negócio desde a fase do MVP (Produto Mínimo Viável). Além das consultorias, as empresas são monitoradas a cada seis meses para averiguar a evolução dos indicadores propostos.

Criada há 15 anos e apoiada por organizações e empresas públicas e privadas comprometidas com o desenvolvimento regional, a Tec Incubadora possui 19 startups graduadas (incluindo essas quatro últimas) e 8 inseridas no Programa. “Hoje podemos dizer com certeza que Campos possui um ecossistema de inovação em desenvolvimento”, garante Túlio Baita. Segundo o doutorando em Propriedade Intelectual e Inovação pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), professor/coordenador dos Institutos Superiores de Ensino dos Institutos Superiores de Ensino do Censa (ISECENSA) e ainda cofundador e consultor da KLL Consultoria, o apoio da FAPERJ foi fundamental, desde a criação da incubadora até hoje. “Boa parte da infraestrutura da Tec Incubadora foi adquirida com recursos captados via editais da FAPERJ”, diz Baita. No final de fevereiro deste ano, a Prefeitura de Campos, em parceria com a Tec Incubadora, também lançou edital para estimular o desenvolvimento de até 30 novas startups no município.

Topo da página