Linguagem Libras Facebook Twitter Intagram YouTube Linkedin Site antigo
Compartilhar no FaceBook Tweetar Compartilhar no Linkedin Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Email Imprimir
Publicado em: 15/06/2022 | Atualizado em: 21/06/2022

FAPERJ celebra 42 anos com adesão como sócia institucional da SBPC

Por Ascom Faperj 

Na semana em que completa 42 anos, a FAPERJ efetivou sua adesão como associada institucional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). A adesão fortalece a parceria entre as organizações, historicamente voltadas ao fortalecimento da Ciência, Tecnologia e Inovação, no País e no estado do Rio de Janeiro. A FAPERJ, criada em 16 de junho de 1980, se une assim a outras instituições que já eram sócias institucionais da SBPC – Centro Alemão de Ciências e Inovação São Paulo, Complexo Pequeno Príncipe, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e Fundação Péter Murányi e Microbiológica. 

O presidente da SBPC, Renato Janine Ribeiro, afirmou que os sócios institucionais têm consciência que estão contribuindo com fatores importantes para desenvolver o Brasil, como ciência, educação, cultura, meio ambiente, saúde, inclusão social e tecnologia. “A adesão da FAPERJ fortalece a SBPC e a luta da comunidade científica brasileira em prol de um País melhor. As duas instituições seguem aliadas neste combate”, disse. 

Por sua vez, o presidente da FAPERJ, Jerson Lima Silva, expressou seu apoio a SBPC, instituição porta-voz dos anseios da comunidade científica e tecnológica. “Ao se tornar membro institucional da SBPC, a FAPERJ consolida seu apoio a maior sociedade promotora da Ciência no País. Desde os anos 1980 a Fundação tem apoiado pesquisadores membros da SBPC e o evento anual. A SBPC e a ABC são as duas maiores instituições na defesa da Ciência e Tecnologia do País”, afirmou. 

Desde a sua criação, em 1948, a SBPC tem se dedicado ao desenvolvimento nacional. Seus primeiros anos coincidiram com a institucionalização da Ciência no Brasil, com a criação, pelo governo federal, de organizações como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em 1951 – organizações aliadas a uma rede de instituições de ensino superior que se estruturava – e o fortalecimento da comunidade científica, que permitiram ao País demonstrar a capacidade de criar e utilizar conhecimento científico e tecnológico.  A SBPC teve um papel fundamental para que a FAPERJ fosse criada, e em seguida, para que esta mantivesse sua dotação orçamentária, atualmente correspondente a 2% da arrecadação tributária líquida estadual. Como reconhecimento do seu ativismo, a entidade foi homenageada com a medalha Tiradentes pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). 

Já a FAPERJ, que teve como marco legal de criação o Decreto nº 3.290/1980, se consolida como instituição chave para o fomento das atividades científicas e tecnológicas fluminenses. Recentemente, durante a pandemia, a Fundação atuou prontamente com o lançamento de editais estratégicos, como a rede Corona-Ômica-RJ, para o monitoramento do coronavírus, e as Chamadas Ação Emergencial de Projetos para Combater os Efeitos da Covid-19, entre diversas outras iniciativas de fomento à C,T&I estadual. 

Topo da página