O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > A memória indígena contada pelo próprio índio na Costa Verde
Publicado em: 19/04/2007

A memória indígena contada pelo próprio índio na Costa Verde

Vinicius Zepeda

Vinicius Zepeda   

 Jovens índios da tribo Guarani de Bracuí e jovens não índios; unidos em um projeto comum

Jovens índios da tribo Guarani de Bracuí (na frente)
e jovens não índios: unidos num mesmo projeto

De fala mansa e muito tímidos, os jovens indígenas da aldeia Guarani de Bracuí, situada na cidade de Angra dos Reis, têm comportamento que contrasta com o jeito extrovertido dos adolescentes não índios que habitam essa parte da Costa Verde fluminense. Em comum, os dois grupos têm a preferência por um estilo de vestir que segue a moda jovem da maioria dos adolescentes das cidades brasileiras. A partir de maio, sob a coordenação da arqueóloga Nanci Vieira de Oliveira, um projeto de arqueologia histórica, educação patrimonial e preservação ambiental nas cidades de Angra dos Reis e Paraty se prepara para promover um intercâmbio entre esses jovens. O trabalho é um dos vários realizados pelo Programa Jovens Talentos, parceria da FAPERJ e Fundação Cecierj (Centro de Ciências e Educação a Distância do Estado do RJ).
 
O projeto contemplará ao todo 30 jovens, 10 deles representantes da comunidade indígena Guarani de Bracuí. Os demais virão das escolas estaduais de ensino médio de Paraty e Angra dos Reis. Apesar de prever atenção especial aos jovens indígenas, o projeto contempla dinâmicas que incluirão a troca de conhecimento e mesmo um trabalho de campo conjunto entre os guaranis e os demais adolescentes. "No caso dos índios, a idéia é que eles aprendam práticas de pesquisa arqueológica a fim de que possam resgatar e, eventualmente, passar para as futuras gerações da sua tribo a memória histórica de seu povo", explica Nanci Oliveira. "O intercâmbio dos índios com os demais jovens permitirá ainda ampliar o alcance do projeto, oferecendo igualmente um aprendizado aos estudantes dos municípios envolvidos", acrescenta.
 
Os recursos para manter o projeto já estão garantidos pelos próximos dois anos. O começo das atividades, que serão realizadas em um laboratório cedido pela Eletronuclear, está previsto para o mês de maio, quando terão início, sempre às sextas-feiras, o programa de três horas semanais de trabalho junto aos orientadores. O grupo terá ainda mais cinco horas adicionais para cumprir   deveres de casa como documentação e catalogação de materiais encontrados, pesquisas e trabalho de campo a serem feitos na região.
 
"Contaremos com o apoio de outros quatro pesquisadores nas áreas de arqueologia e preservação ambiental", adianta Nanci. Nesta última, o projeto contará com a participação do ambientalista Alexandre Kubota da Eletronuclear, uma das empresas parceiras do projeto. "A empresa nos cedeu o laboratório com toda a infra-estrutura necessária para a realização de nossos encontros. Eventualmente, realizaremos também excursões ao Laboratório de Antropologia Biológica da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), na qual faço parte do corpo docente", explica.
 
Segundo a coordenadora, a permanência dos jovens no projeto ficará sujeita ao rendimento escolar de cada um dos selecionados. "Se o jovem não conseguir conciliar o trabalho dentro do projeto com suas tarefas escolares ele será imediatamente desligado", avisa Nanci. "Temos certeza de que a participação dos jovens no projeto abrirá um novo horizonte no conhecimento desses adolescentes. Entretanto, ele não pretende, nem deve, de forma alguma substituir o ensino da escola", adverte.

A diversidade cultural e étnica brasileira
 
Os jovens guaranis falam o português e o idioma guarani. A sociedade é patriarcal e os contatos com outras civilizações são feitos sempre através dos homens. Os garotos são extremamente dóceis e tímidos, assim como as meninas. Eles só aceitam iniciar uma conversa depois da intermediação da arqueóloga Nanci Oliveira, amiga pessoal dos índios. No caso das mulheres, nem a presença de Nanci ajuda. Seguindo a tradição cultural de sua tribo, elas simplesmente não respondem às pessoas que não fazem parte de seu 'mundo'. "As meninas e meninos indígenas me escutam e conversam comigo porque têm um forte vínculo de amizade e confiança desde pequenos Alguns destes adolescentes eu inclusive tenho fotos de quando ainda eram crianças", recorda.

Vinicius Zepeda                                                  
 Praia e natureza em Angra dos Reis  
    Trabalho com os jovens irá contribuir para a
  preservação ambiental em Angra (foto) e Paraty

Nanci Oliveira empolga-se com a possibilidade de, como arqueóloga, realizar um ótimo exercício etnológico, tendo a chance de 'trabalhar as diferenças'. "Fiquei muito feliz com o apoio que obtive do Programa Jovens Talentos para a implantação deste projeto. Há anos tenho contato e amizade com os Guarani e sabia do interesse deles em participar de minhas pesquisas. Graças ao apoio desse programa será possível contar com a participação deles", recorda. "Espero que a presença dos jovens no projeto contribua para que comecem a entender e a respeitar a diversidade cultural e étnica brasileiras", acrescenta.
 

Logo numa das primeiras etapas do programa, os participantes terão um curso introdutório sobre arqueologia e meio ambiente. Em seguida, farão o trabalho de campo identificando materiais e fazendo levantamentos sobre as características ambientais dos municípios de Angra dos Reis e Paraty. "Os sítios arqueológicos pesquisados até o momento são pré-coloniais e possuem estruturas de fortificações. Os adolescentes terão a chance de contribuir com novas informações e até com a descoberta de novos sítios", afirma Nanci Oliveira.
 
Professora adjunta do Departamento de Ciências Sociais do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Uerj, Nanci acredita que o projeto dará aos jovens a possibilidade de ver sua região sob novos prismas e, a partir daí, privilegiar a valorização da memória e da história local. "Além disso, ele receberá noções de cidadania e atuará como agente de preservação ambiental", explica. "As experiências adquiridas ao longo das atividades permitirão uma expansão do saber acadêmico e auxiliarão esses estudantes em suas futuras escolhas profissionais", acrescenta.
 
Outro aspecto positivo do trabalho, de acordo com a coordenadora, é a possibilidade de construção de uma cidadania para os jovens. "Com este trabalho, iremos não só levantar registros arqueológicos das populações que ocuparam a região, mas também elaborar estratégias de defesa do litoral Sul fluminense", explica Nanci. Ela acredita que para os jovens, esta será uma rara oportunidade de travar um conhecimento maior com a complexidade social e cultural da região. "Isto inclui os habitantes de hoje e de outrora, de colonizadores a representantes indígenas, passando por imigrantes, africanos, corsários, entre outros", conclui.

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes