O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Rede-Rio/Faperj debate novos caminhos ao completar 25 anos
Publicado em: 26/05/2017

Rede-Rio/Faperj debate novos caminhos ao completar 25 anos

Ampliar os recursos de colaboração em rede para as instituições localizadas no interior do estado e manter a qualidade dos serviços prestados às universidades, centros de pesquisa sediados em território fluminense e órgãos públicos do governo do estado do Rio de Janeiro. Os desafios que envolvem a Rede-Rio de Computadores/Faperj foram tema do workshop de comemoração dos seus 25 anos, nesta quinta-feira (25/5), no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), na Urca (Zona Sul do Rio).

Inaugurada em 1992, como iniciativa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), a maior parte da Rede-Rio conta como uma infraestrutura óptica de grande capacidade, construída em parceria com a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), organização social supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), responsável por operar e desenvolver a internet acadêmica brasileira. São cerca de 350 quilômetros de fibras óticas que atendem a 150 instituições de ensino, pesquisa, cultura, além de órgãos públicos.

Segundo Raupp, o apoio à Rede-Rio faz parte das ações da Fundação que visam manter a infraestrutura e dar suporte à comunidade de ciência, tecnologia e inovação do estado.

- Na época da criação da Rede-Rio e da própria internet, três fatores convergiram para que a gente pudesse aproveitar esse momento e a internet se disseminasse: digitalização em alta, a globalização e a desregulamentação. O estado tem, justamente, o papel de unir, de formar as pontes, construir os cenários para que as coisas aconteçam. Cabe ao estado, aumentar a interação entre a indústria, a academia, a área de serviços. Na Faperj, buscamos cumprir esse papel, inclusive estimulando o empreendedorismo e a própria Rede-Rio, que realiza um trabalho de suma importância, mantendo uma internet de alta velocidade nas instituições de ensino e pesquisa, adequada aos projetos desenvolvidos pelas instituições, que exigem uma conexão de qualidade.

Coordenador geral da Rede-Rio/Faperj, Alexandre Grojsgold falou sobre as origens da Rede-Rio e sobre os próximos passos para a rede.

-A rede tem que permanecer como rede acadêmica de qualidade, o que hoje é vital para as instituições. Além disso, temos que manter nosso caráter pioneiro, experimentando novas tecnologias. Outro desafio é a encarar é a interiorização. De uma maneira geral, a internet disponível no interior do estado é precária e cara, indisponível da forma que se necessita em várias localidades. Petrópolis, Niterói, Campos, Seropédica e Nova Friburgo, são exemplos de localidades onde existem polos de pesquisa e ensino superior, e é importante garantir que as instituições lá localizadas não fiquem privadas dos modernos recursos de colaboração em rede. Por outro lado, mesmo nas cidades onde já contamos com malhas ópticas, o grande desafio é preservar o que já foi conquistado. A capital, em particular, tem vários trechos da rede óptica que sofrem frequentes falhas em função de obras subterrâneas e vandalismo. Várias das instituições usuárias são vizinhas de zonas de baixa segurança urbana, o que só faz encarecer e dificultar a manutenção da rede - conta Grojsgold, tecnologista do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC).

Na cidade do Rio de Janeiro, a malha óptica da rede se concretiza por meio do Redecomep-Rio, resultado de um consórcio que une, além da RNP e da Rede-Rio/FAPERJ, a prefeitura do Rio e as empresas Metrô-Rio, Linha Amarela S.A, Light e Supervia Trens Urbanos. O diferencial trazido pela Redecomep-Rio à Rede-Rio é a possibilidade de interligar, com custo baixo, as instituições acadêmicas em alta velocidade, adequada a usos avançados da rede tais como telemedicina, laboratórios virtuais, ensino a distância, teleconferência, videoconferência de alta definição e ambientes de realidade virtual.

-Eu vou trabalhar para que tenhamos sempre uma parceria frutífera. Não existem dois lados, mas apenas os nossos parceiros, que devem ser atendidos com qualidade. Nosso viés é a ciência e a tecnologia para as quais devemos dar atenção maior – disse Eduardo Cézar Grizendi, diretor da RNP.

Iniciativa colaborativa, a Rede-Rio conta com a cooperação operacional de nove instituições, onde se localizam os pontos de agregação de tráfego ou pontos de presença (PoPs). São eles: a Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), o CBPF, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet), que formam o anel óptico principal da capital, e o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC- Petrópolis), a Universidade Estadual Norte Fluminense (Uenf-Campos), a Universidade Federal Fluminense (UFF-Niterói).

O evento ainda contou com a participação do secretário de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Social, Pedro Fernandes; de Ronald Cintra Shellard, do CBPF; Luiz Beviláqua, representando a Academia Brasileira de Ciência; Epitácio Brunet, representando a Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação; Augusto César Gadelha, do Laboratório Nacional de Computação Científica; e Marcio Lacs, da Associação Comercial-RJ.   

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email Compartilhar no WhatsApp
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes