O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Resultado da edição 2016 do APQ 1 aprova 257 novos projetos
Publicado em: 20/10/2016

Resultado da edição 2016 do APQ 1 aprova 257 novos projetos

A Fundação divulga nesta quinta-feira, 20 de outubro, o resultado da edição 2016 do Auxílio Básico à Pesquisa (APQ 1). Foram selecionados 257 projetos, o que representa R$ 5.873.493 em investimentos. Na ampla diversidade de temas de interesse para a população fluminense, propostas como “Estudo de plantas bioativas da restinga da Barra da Tijuca para identificação de espécies vegetais com atividade antioxidante (Uerj)”; “Identificação e descoberta de alvos terapêuticos da bactéria multirresistente P. aeruginosa CCBH 4851 através da análise de redes metabólicas (Fiocruz)” e “Associação entre a expressão do gene viral E5 de papilomavírus humano e a via EGFR-VEGF (Inca)” estão entre os projetos aprovados. 

Trinta instituições tiveram propostas contempladas, com destaque para a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com 61 propostas, seguida pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), ambas com 41. Outros destaques são a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), com 24 projetos aprovados; a Universidade do Estadual do Norte Fluminense (Uenf), com 18; e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com 12 projetos. As demais propostas beneficiadas ficaram distribuídas entre outras 24 instituições, o que indica o grande alcance do programa em promover o fortalecimento da capacidade de investigação científica nas instituições fluminenses.

O APQ 1 se propõe fundamentalmente a financiar o desenvolvimento de projetos nas mais diversas áreas do conhecimento, desde que conduzidos por pesquisadores com grau de doutor ou equivalente, vinculados a instituições de ensino e pesquisa sediadas no estado. A liberdade na escolha dos temas faz do APQ 1 a modalidade de fomento mais procurada dentre os programas da FAPERJ, principalmente entre os jovens pesquisadores.

“Trata-se de um programa de grande perenidade entre as modalidades de apoio praticadas pela Fundação. Desde 2007, havia duas chamadas para concessão de projetos. A partir de 2016, passamos a ter apenas uma chamada, com projetos de até R$ 50.000,00 para serem executados em dois anos. O APQ 1 continua sendo o programa permanente da Fundação que mais tem alocado recursos nas instituições sediadas no estado do Rio de Janeiro, sendo também bastante utilizado pelos pesquisadores nos estágios iniciais da carreira, e por isso altamente competitivo”, observou o diretor Científico da FAPERJ, Jerson Lima Silva.

O julgamento dos projetos é realizado pelo corpo de coordenadores de área da Fundação, com apoio de consultores ad hoc, buscando analisar comparativamente aspectos como mérito técnico-científico, originalidade, adequação do orçamento às metas do projeto e adesão aos termos desta modalidade de auxílio, além dos requisitos obrigatórios, como carta de anuência, aprovação do comitê de ética em pesquisa humana e animal e a não acumulação com bolsa dos programas Cientista do Nosso Estado (CNE) e Jovem Cientista do Nosso Estado (JCNE). A grande dificuldade dos coordenadores de área da FAPERJ é conseguir que os consultores ad hoc, mesmo aqueles do estado do Rio de Janeiro, colaborem com uma análise completa e em tempo hábil.

A avaliação das propostas leva em consideração a qualificação do proponente em relação às atividades previstas, a qualidade e a regularidade de sua produção científica/tecnológica, divulgada em veículos qualificados, e sua contribuição para a formação de recursos humanos nos últimos cinco anos. Não menos importante é a aplicabilidade e a relevância da proposta para o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico, ambiental e social das diferentes regiões fluminenses. Toda avaliação é comparativa com os pares das grandes áreas do conhecimento, com base na opinião de consultores ad hoc e consolidada pelos coordenadores de área da FAPERJ.

Os recursos do programa poderão ser aplicados em despesas de capital e custeio, escolhidas pelos proponentes, desde que sejam essenciais à realização do projeto, estejam de acordo com o classificador de receita e despesa do estado do Rio de Janeiro e em consonância com as metas do projeto. Como, por exemplo, a aquisição de material permanente ou de consumo, serviços de terceiros, desde que eventuais, e demais itens fundamentais ao desenvolvimento da proposta. Contados a partir da liberação dos recursos, os contemplados terão 24 meses para a execução de suas propostas. O APQ 1 é um recurso exclusivo para aplicação em um projeto de pesquisa e, portanto, não contempla passagem nem diárias para congresso.

Confira a listagem completa do resultado do Auxílio Básico à Pesquisa (APQ 1) 2016 .

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email Compartilhar no WhatsApp
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes