O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Brasil começa a entrar na era do proteoma
Publicado em: 29/01/2003

Brasil começa a entrar na era do proteoma

 Transcrição da matéria de Evanildo da Silveira publicada em 'O Estado de SP', em 27/01/03

 


O seqüenciamento do genoma da bactéria Xylella fastidiosa, concluído em 6 de janeiro de 2000, pôs o Brasil no Primeiro Mundo da ciência. Agora, três anos e vários organismos seqüenciados depois, o país se prepara para entrar na era da proteômica, o estudo das proteínas, colocando-se ao lado dos países desenvolvidos.

Vários laboratórios, divididos em duas redes, uma em SP (em formação) e outra no Rio, iniciaram as primeiras pesquisas. Segundo os cientistas envolvidos nesses projetos, o Brasil tem tudo para repetir o sucesso que teve em genômica, embora o estudo do proteoma seja mais complexo.

Enquanto o genoma é o conjunto dos genes de um determinado organismo, que dão a receita de como ele é feito, o proteoma é o conjunto das proteínas produzidas por ele. O primeiro é como a planta de um carro. O segundo são as peças desse carro, cada uma com uma função específica.

'O proteoma é o conjunto de proteínas num dado momento, ou evento, metabólico de um organismo', diz o bioquímico Carlos Bloch, que coordena a formação da rede paulista de proteômica, que será financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de SP (Fapesp).

Uma analogia deixa a diferença mais clara. Um determinado ovo, o pintinho que dele resulta e o galo no qual este se transforma têm o mesmo genoma (genes e código genético). Mas as proteínas, feitas sob orientação desses genes, são diferentes em cada uma dessas fases do desenvolvimento da ave.

Os genes que determinam a produção de penas ou da crista do galo são ativados em momentos diferentes e 'ordenam' a produção de proteínas diferentes.

Descobrir as de um organismo e como elas funcionam em cada momento, eis a complexidade do estudo do proteoma.

O que tem em complexidade, no entanto, esse estudo tem em potencial de cura de doenças, desenvolvimento de novos medicamentos ou aumento de produtividade de culturas agrícolas, por exemplo.

O conhecimento da estrutura das proteínas permite compreender sua função nas células. Elas fazem de tudo num organismo, como transportar o ferro no sangue, controlar a entrada de açúcar na célula e constituir-se em hormônios importantes.

Há as que participam de processos patológicos, como câncer e infecção por vírus e bactérias. Por isso, os primeiros objetos de estudo serão microorganismos que causam doença, como o vírus da dengue e o vibrião da cólera e plantas como o café e a cana-de-açúcar.

Confiança - Os pesquisadores estão confiantes no sucesso desses projetos e no desempenho do Brasil em proteômica. 'Temos tudo para repetir os bons resultados que tivemos com o genoma', acredita Marcos Eberlin, que participa do projeto que estuda o proteoma do café, na Universidade Estadual de Campinas.

'Temos químicos, biólogos e bioquímicos do mais alto nível, além de laboratórios bem equipados. Os grupos são formados por pesquisadores jovens e maduros, entusiasmados, inovadores, flexíveis e calejados na arte de fazer boa pesquisa mesmo com poucos recursos.'

O diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncroton, de Campinas, e coordenador da futura rede paulista de proteoma, Rogério Meneghini, lembra que o Brasil está iniciando esses estudos bem menos defasado do que foi no caso da genômica.

'Hoje já existe uma base que foi formada pelos projetos de genomas da rede Onsa (Organização para Seqüenciamento e Análise de Nucleotídeos) da Fapesp e por outras redes nacionais que podem ser exploradas.'

Ainda que mais cauteloso, o coordenador da Rede de Proteômica do Rio, Paulo Mascarello Bisch, vê boas perspectivas para esses projetos. 'Os estudos proteômicos necessitam de análises em larga escala e atualmente ainda temos poucos equipamentos para isso', ressalva. Em compensação o Brasil possui, segundo Bisch, cientistas altamente qualificados no estudo de proteínas.

'Sem dúvida temos potencialmente a capacidade de nos adaptar rapidamente para empreendermos estudos de proteoma', diz. Para ele, isso ocorrerá se houver verbas para a compra de equipamentos e material de consumo. Essa ressalva também é feita pelo biólogo Elias Walter Alves, da Universidade Estadual do Norte Fluminense, participante da rede.

'Se tivermos financiamento constante, os resultados aparecerão', diz. 'O Brasil tem tradição em estudar proteínas. Nossa bioquímica, ciência fundamental para pesquisas de proteoma, é uma das melhores e temos agora melhores condições do que quando começamos a estudar genoma. Naquela época havia poucos grupos estudando biologia molecular.'

 (O Estado de SP, 27/1).

 

Investimento de R$ 1,5 milhão permitiu ao Rio sair na frente

Trabalhos trarão novos dados à área de genoma

Bioquímico critica 'essas pesquisas abrangentes'

 

 

 

Não é todo mundo que se entusiasma com pesquisas de genoma e proteoma

 

Apesar de atraírem milhares de cientistas em todo o mundo, existem pesquisadores que as vêem com reserva. É o caso do bioquímico Antonio Carlos Camargo, do Instituto Butantan.

Para reforçar sua posição Camargo recorre a ninguém menos que o Nobel de Medicina de 2002, o britânico Sidney Brenner. 'Numa recente entrevista ao jornal alemão Die Zeit, ele afirma que essas pesquisas abrangentes (genoma e proteoma) resultam numa montanha descomunal de dados, gerando o maior amontoado de besteiras que já foi proposto', diz.

Segundo Camargo, os dados de pesquisas fornecem elementos que ajudam a criar uma teoria. 'O projeto do genoma humano, no entanto, não gerou nenhuma teoria até agora', lembra. 'Por isso concordo com Brenner, que critica o acúmulo de máquinas e computadores que 'cospem' um colosso de dados inúteis.'

Para ele, alguns pesquisadores procuram criar uma nova biologia, mas acabam criando uma teórica, in silico, isto é, feita nos computadores e não nos laboratórios.

Camargo não é totalmente cético. 'Determinar todas as proteínas que são secretadas por uma glândula de veneno de cobra, por exemplo, pode ser útil', afirma.

'A síntese protéica nessas glândulas está quase exclusivamente dedicada à produção de toxinas. Nesse caso, a determinação de seqüências das toxinas secretadas por uma glândula de veneno pode responder a inúmeras questões - desde aspectos de classificação, variação intra e interespécies, evolução de animais venenosos até seleção de toxinas para utilização farmacêutica.'
(O Estado de SP, 27/1)

 

 

 

 

 

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes