O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > FAPERJ e Rede-Rio retomam negociações com RNP
Publicado em: 25/01/2007

FAPERJ e Rede-Rio retomam negociações com RNP

As diretorias da FAPERJ, Rede-Rio e RNP discutiram visando otimizar a rede acadêmicaAs instituições de ensino e pesquisa situadas no Estado do Rio que se encontram conectadas à Rede-Rio – Rede Acadêmica e de Pesquisas do Estado do Rio de Janeiro, financiada pela FAPERJ – poderão contar com maiores velocidades de acesso à internet até o final de 2007. Nesta segunda-feira, dia 22 de janeiro, a Fundação retomou as negociações com a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) visando dar continuidade ao projeto de implementação das Redes Comunitárias de Educação e Pesquisa (REDECOMEP). De acordo com protocolo firmado em outubro de 2006, o acordo prevê a realização de uma parceria entre a atual rede mantida pela FAPERJ e o sistema que se encontra em fase de implementação pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) em 27 cidades brasileiras e que tem coordenação da RNP.

O desenho de como ficará a nova rede, com a lista de instituições aderentes – hoje a Rede-Rio reúne cerca de 100 instituições e 600 mil usuários – deverá ser divulgado até o mês de abril. A partir daí, universidades e centros de pesquisa da região metropolitana terão a possibilidade de acesso mais veloz – por meio de fibras óticas – ao anel do backbone (enlaces que interligam os principais pontos da rede através dos quais as demais instituições ganham acesso à internet) à medida que a infra-estrutura necessária para sua implementação fosse disponibilizada nas áreas em que estão localizadas.

“Com essa parceria, o sistema fluminense de C&T poderá dispor de maior velocidade de conexão à internet”, explica o diretor-presidente da FAPERJ, Ruy Marques. “Essa é a solução mais econômica e prática para reduzirmos os custos de operação e manutenção da rede, que, certamente, trará muitos outros benefícios para toda a população do estado”.

Quatro instituições redistribuem às demais o acesso à Rede-RioA disponibilização de novos acessos, com possibilidade de maior capacidade de transmissão de dados, possibilitaria ainda a sua utilização por outros setores da sociedade, como nos hospitais, na área de telemedicina, e na área de educação, na transmissão de palestras e cursos. Para o coordenador da Rede-Rio, Luís Felipe de Moraes, a parceria trará outras vantagens: “Teremos um ganho substancial na qualidade dos serviços prestados pela rede com a instalação de novos acessos e a utilização de fibras óticas. Assim, as instituições poderão conectar-se ao backbone da Rede-Rio com maiores velocidades”, disse.

Até o lançamento do projeto REDECOMEP pelo governo federal, o Estado do Rio era um dos poucos a possuir sua própria ‘rede acadêmica’. “O Rio é um caso à parte, porque já possuía uma rede ampla, conectando as universidades e centros de pesquisa”, lembra Michael Stanton, diretor de inovação da RNP.

Posteriormente, o novo sistema deverá ser estendido à região da Baixada Fluminense e ao interior do estado. “Para que possamos alcançar instituições fora da capital, como a Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense), vamos precisar de repetidores ópticos, necessários para cobrir grandes distâncias”, diz Moraes. “Para isso, esperamos contar com a contrapartida da RNP para a instalação de novos equipamentos que possam garantir a manutenção da qualidade dos serviços hoje prestados pela Rede-Rio aos afiliados”.

Para assegurar a permanência das instituições que hoje integram a Rede-Rio e permitir a entrada de outras, a rede deverá estender novos cabos pela região metropolitana. “Vamos discutir a possibilidade de estabelecer parcerias com empresas que já dispõem de infra-estrutura de ductos ou redes aéreas espalhadas no Grande Rio e que possam se interessar em obter, em troca, a utilização de um par de fibras do cabo”, revela José Luiz Ribeiro Filho, coordenador da REDECOMEP, da RNP.

Ao longo da reunião, que contou ainda com a participação do subsecretário estadual de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Júlio Oscar Lagun Filho, e da coordenadora-adjunta da Rede-Rio, Marilia Rosa Millan, foi discutido o cronograma para a entrada em operação da nova rede. A previsão é de que as instituições que venham a aderir a nova estrutura estejam integradas à rede até dezembro próximo. A partir de abril, seria feita a contratação dos projetos de engenharia necessários para a instalação da infra-estrutura de cabos ópticos.

Para Ruy Marques, a comunidade científica do Estado do Rio só tem a ganhar com essa parceria entre os governos estadual e federal. “Vamos trabalhar para melhorar ainda mais a qualidade das conexões da Rede-Rio, e, com isso, poder oferecer as condições necessárias para a aceleração do intercâmbio de informações não só entre as instituições fluminenses, mas também com o resto do país e com o exterior”, disse o diretor-presidente da Fundação.

Inaugurada em 1992, a Rede-Rio completa 15 anos no próximo dia 22 de maio. Por ela, cerca de mais de uma centena de instituições de ensino, pesquisa e governos (municipal, estadual e federal) localizadas no Estado do Rio se conectam à rede mundial de computadores. Em agosto de 2005, graças a investimentos da FAPERJ da ordem de R$ 2 milhões, em equipamentos, a Rede-Rio implantou tecnologia de transmissão em alta velocidade, conhecida como Giga-Ethernet e passou a operar com capacidade de transmissão a 1 Gigabit por segundo – mais de sete vezes a velocidade anterior, de 155 megabits por segundo. A medida permitiu aumentar significativamente a taxa de transmissão do backbone da Rede-Rio.
Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes