O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Bolsista da FAPERJ, Marta Giovanetti, do IOC/Fiocruz, é uma das laureadas no Prêmio Para Mulheres na Ciência
Publicado em: 07/10/2021

Bolsista da FAPERJ, Marta Giovanetti, do IOC/Fiocruz, é uma das laureadas no Prêmio Para Mulheres na Ciência

Débora Motta

As sete pesquisadoras brasileiras laureadas na 16ª edição do Prêmio
Para Mulheres na Ciência. Na fileira inferior, a 1ª à esq. é a virologista
Marta Giovanetti, representando o Rio de Janeiro
(Foto: Divulgação)

A virologista Marta Giovanetti teve uma boa surpresa recentemente. Bolsista da FAPERJ, ligada ao programa Pós-Doutorado Nota 10, e pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), ela foi uma das sete cientistas em todo o País contempladas na 16ª edição do Prêmio Para Mulheres na Ciência, uma iniciativa da L'Oréal Brasil, Unesco e da Academia Brasileira de Ciências (ABC) para reconhecer o trabalho das cientistas e promover a igualdade de gênero no meio acadêmico. Cada uma das pesquisadoras premiadas, nas áreas de Ciências da Vida, Ciências Físicas, Ciências Químicas e Matemática, recebeu uma bolsa-auxílio de R$ 50 mil.

Aos 33 anos, ela é italiana e mora no Rio de Janeiro desde 2016, quando passou a trabalhar na Fiocruz, sob a orientação do doutor em Biologia Celular e Molecular Luiz Carlos Júnior Alcântara, que também tem o apoio da FAPERJ, por meio do programa Cientista do Nosso Estado. Marta trabalha no Laboratório de Referência Regional de Flavivírus (LABFLA/IOC/Fiocruz), chefiado pela Ana Maria Bispo de Filippis, doutora em Ciências na área de Virologia. Eles vêm se dedicando a atividades de vigilância genômica e ao desenvolvimento de protocolos para a descoberta e monitoramento de vírus emergentes e reemergentes, incluindo o novo coronavírus (SARS-CoV-2), que também está relacionado aos casos de doença febril aguda. “A vigilância genômica e o monitoramento de agentes patogênicos circulantes são fundamentais para prevermos futuros surtos e epidemias ainda em estágio inicial e, dessa forma, podem auxiliar também no controle de doenças infecciosas emergentes”, ressaltou Marta.

Ela contou que se inscreveu no Prêmio Para Mulheres na Ciência sem nenhuma expectativa de vencer. “Recebi a notícia com surpresa e felicidade por poder representar o estado do Rio de Janeiro e a Fiocruz, que é presidida, pela primeira vez na história da instituição, por uma mulher, a doutora Nísia Trindade Lima”, disse Marta. Ela destacou a importância da premiação para dar visibilidade à trajetória profissional das jovens pesquisadoras. “Ainda existe preconceito no mercado de trabalho pelo fato de ser mulher, e na academia essa questão ainda é complexa. A Ciência de fato é resistência e espero que esse Prêmio possa inspirar outras jovens pesquisadoras a continuarem lutando pelos seus sonhos, com trabalho, dedicação e disciplina”, completou.

Durante a pandemia causada pelo novo coronavírus, ela se destacou, em novembro de 2020, como aquela com o maior número de publicações (26) sobre Covid-19 entre os pesquisadores residentes no Brasil, e também como aquela com o maior número de citações sobre o tema até aquele momento. “Eu trabalho no monitoramento de patógenos virais emergentes e reemergentes, incluindo os arbovírus que circulam na América Latina, como o SARS-CoV-2. Acompanhamos a evolução do patógeno a nível nacional, na Itália e a situação na África do Sul. Juntos com o virologista Tulio de Oliveira, nós isolamos a variante Beta, a grande preocupação nesse país africano. Estamos também acompanhando a variante Delta, no Rio. Com o início da campanha de vacinação no Brasil, em 17 de janeiro de 2021, se abre uma janela de esperança para que a pandemia seja controlada no País. Por enquanto, todas as medidas farmacológicas e não farmacológicas, como o uso de máscara, higiene e distanciamento, continuam fundamentais para reduzirmos a transmissão do novo coronavírus”, ponderou.

As outras vencedoras do Prêmio Para Mulheres na Ciência são: Na categoria Ciências da Vida, a bióloga e professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Letícia Couto; a professora da Universidade Federal do Piauí (UFPI) Lilian Catenacci; e a ecóloga e professora da Universidade Federal do Pará (UFPA) Thaísa Michelan; Na categoria Química, a professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Ana Cecília Albergaria-Barbosa; na área de Física, Ingrid Barcelos, física do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), localizado em Campinas-SP; e na área de Matemática, a professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Fernanda De Bastiani.   

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes