O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Estudo mostra como as secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação das florestas
Publicado em: 14/10/2021

Estudo mostra como as secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação das florestas

Paula Guatimosim

A imagem mostra a seca de 2010, em São Carlos, localidade 
no município de Novo Aripuanã (AM). A marca na margem
indica o quanto a água
 do rio recuou (Foto: Luana Pinho)

Os efeitos das secas - cada vez mais frequentes e severas - na produtividade da Floresta Amazônica, são tema de artigo de acaba de ser publicado na edição especial acerca dos impactos dos extremos climáticos sobre o ciclo do carbono da prestigiosa revista Global Biogeochemical Cycles (https://doi.org/10.1029/2021GB007004), que alcançou o fator de impacto de 5.7. Primeiro autor do trabalho, intitulado “Débitos de resiliência à seca apontam para o declínio da produtividade da Floresta Amazônica”, o biólogo Fausto Machado-Silva, pesquisador no Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (Lasa) do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e no Laboratório de Ecossistemas e Mudanças Globais (LEMG), associado ao programa de Geociências – Geoquímica Ambiental da Universidade Federal Fluminense (UFF), explica que o interesse pelo tema é grande porque embora os distúrbios da seca sejam amplamente quantificados, poucos estudos abordam os impactos dos efeitos pós-seca.

“Neste trabalho mostramos que as florestas em recuperação pós-seca apresentam níveis de produtividade mais baixos do que os sistemas não perturbados. As dívidas de recuperação variam não só com o grau de intensidade da seca, mas também com o tempo de recuperação da floresta após cada evento”, afirma o pesquisador, que contou com bolsa de pós-doutorado da FAPERJ em colaboração com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Outras fontes de financiamento do artigo vêm do Instituto Serrapilheira, Fundação para a Ciência e a Tecnologia (Portugal) e o Instituto Dom Luiz da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Portugal).

Diante das projeções que indicam como consequência do aquecimento global o aumento da intensidade e da frequência das secas em todo o mundo, a recuperação dos danos pode promover uma redução na absorção de carbono pelas florestas. Segundo Machado-Silva, a produtividade de uma floresta é diretamente proporcional à sua capacidade de crescimento e de regeneração. Como as secas mais intensas demandam um período de recuperação mais longo, a absorção de gás carbônico (CO2) da atmosfera pelas plantas para transformá-lo em oxigênio também será mais lenta e dependerá da capacidade de resiliência das diversas áreas da floresta.

Fausto Machado-Silva explica: se a produtividade da floresta
diminui, ela perde capacidade de captar o COda atmosfera

O trabalho, orientado pela professora do Departamento de Meteorologia da UFRJ, Renata Libonati, que conta com bolsa de Jovem Cientista do Nosso Estado, da FAPERJ, para o desenvolvimento de suas pesquisas, analisou as três maiores secas que incidiram na Amazônia nas últimas duas décadas, ocorridas nos anos de 2005, 2010 e 2015. A proximidade das datas evidencia que esse evento climático extremo, que antes ocorria de forma mais espaçada, agora vem se repetindo a cada cinco anos. O modelo de experimento natural mostrou que o prazo de recuperação da floresta variou de 12 meses para três anos, devido à intensidade maior das secas e do efeito acumulado das secas recorrentes. “Se houver uma sobreposição entre distúrbios de seca e débitos de resiliência, há grande possibilidade de perda de produtividade da Floresta Amazônica, que passará a absorver menos CO2”, afirma o pesquisador.

Segundo o biólogo, o artigo reforça o termo resiliência, pois como a floresta vem sendo impactada cada vez mais por vários fatores, o processo de débito de recuperação fica cada vez maior. “Se a produtividade da floresta diminui, ela perde capacidade de captar o CO2 da atmosfera. Por isso, as projeções futuras indicam que, neste ritmo, a floresta pode deixar realmente de ser um sumidouro de CO2 e passar a ser produtora”, esclarece Machado-Silva. Os resultados do estudo revelam que os ecossistemas em recuperação mostram o sequestro de carbono 13% abaixo dos valores de referência, com base no estado anterior à seca ou em áreas não perturbadas pela seca.

A publicação do resultado da pesquisa, iniciada em 2018, foi mais demorada que o esperado. Casado com a também biogeoquímica Roberta Peixoto, coautora e colega de laboratório no Lasa/UFRJ e no LEMG/UFF, Fausto compartilha os cuidados parentais das filhas Manuela, de quatro anos, e Betina, que completará dois anos em novembro próximo e nasceu, portanto, durante a pesquisa e ficaram sem aulas presenciais devido à pandemia de Covid-19. “Enquanto as mulheres após o parto têm uma pequena extensão de mais quatro meses da bolsa, a Ciência não considera as necessidades dos pais e não concede licença paternidade”, queixa-se o pesquisador.

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes