O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Dinossauro raro é descoberto em território nacional
Publicado em: 02/12/2004

Dinossauro raro é descoberto em território nacional

Clique nas imagens para ampliá-las (reprodução livre citando os créditos)
Imagens de divulgação / Museu Nacional /
UFSM
Paleoarte: Orlando Grillo (escultura) e Maurílio Oliveira (ilustração)

Unaysaurus em seu ambiente no Sul - Ilustração de Maurílio Oliveira

 

Pesquisadores do Museu Nacional e da Universidade de Santa Maria (UFSM) anunciaram nesta quinta-feira, 2 de dezembro, a descoberta de uma nova espécie de dinossauro em território brasileiro. O anúncio atraiu dezenas de jornalistas à entrevista coletiva realizada no auditório da Biblioteca Central do Museu Nacional/UFRJ. Ali, os cientistas apresentaram um modelo, em tamanho natural (foto abaixo), do Unaysaurus tolentinoi.

 

Réplica do Unaysaurus tolentinoi

 

A espécie – uma das mais primitivas que já andaram pela Terra, há cerca de 225 milhões de anos – pertence ao grupo dos prosaurópodos. A FAPERJ tem, ao longo dos últimos anos, apoiado as pesquisas do Setor de Paleontologia do Museu Nacional.

Fósseis encontrados“Este fóssil de dinossauro é um dos mais completos já descobertos no Brasil”, comemora Luciano Leal, um dos quatro principais responsáveis pela pesquisa – ao lado de Sérgio Alex K. Azevedo, Átila A. S. da Rosa e Alexander W. A. Kellner – publicada na revista Zootaxa, da Nova Zelândia.

 

“Conseguimos resgatar grande parte do crânio, além de dois braços praticamente completos e uma seqüência inteira da cauda”, lembrou o pesquisador gaúcho, mostrando os fósseis colocados sobre a reprodução de um desenho do animal.


A descoberta, ocorrida em 1998, aconteceu na localidade de Água-Negra, no interior do Rio Grande do Sul. O aposentado Tolentino Marafiga (foto) topou com o primeiro fragmento do fóssil do animal, durante caminhada no percurso que liga São Martinho da Serra a Santa Maria. Sr. TolentinoPressentindo a importância do achado, Tolentino –  que acabou emprestando seu nome ao batismo da nova espécie – contatou imediatamente pesquisadores da UFSM, que logo acorreram ao local.

“Ao chegar à localidade, constatamos que se tratava provavelmente da carcaça de um animal que morreu numa planície de inundação ou próximo a um canal, e que terminou soterrado”, explicou o pesquisador Átila da Rosa.

 

De volta à universidade, os pesquisadores optaram por convidar os colegas do Museu Nacional para dividir o trabalho de pesquisa.

Dinossauro tinha hábitos herbívoros e porte reduzido

Os prossaurópodas, grupo ao qual pertence o fóssil encontrado no sul do país, se caracterizam pelo hábito herbívoro, o corpo volumoso e a cabeça pequena, sustentada por um longo pescoço. Os membros anteriores do Unaysaurus eram proporcionalmente mais curtos que os posteriores, conferindo uma postura bípede. Ele possuía, ainda, uma grande garra no polegar da mão e do pé. O animal exibido pelos pesquisadores – de pequeno porte –, segundo estimativas, pesava cerca de 70 quilos, tinha pouco mais de 2 metros de comprimento e cerca de 0,70m de altura.

O conhecimento sobre dinossauros em solo brasileiro ainda é bastante restrito, com apenas 11 espécies reconhecidas cientificamente. Com a descoberta do Unaysaurus tolentinoi, os pesquisadores encontraram evidências de que esse tipo de dinossauro, herbívoro, pode ter ocupado todo o planeta durante o fim do período tríassico.  “Encontramos forte indícios que nos levam a relacionar esse dinossauro com o Plateosauro europeu”, explicou Leal. “Se no futuro – prosseguiu o pesquisador – outros estudos confirmarem uma maior proximidade dessa espécie com o Plateosauro, ao invés de uma relação mais estreita com espécies sul-americanas e africanas, ficará claro que a disseminação dos dinossauros pelo mundo na época do tríassico foi mais complexa do que se imaginava”.

“O modelo que apresentamos estará em exposição no museu já a partir deste sábado”, adiantou o diretor do Museu Nacional e paleontólogo Sergio Alex de Azevedo, um dos envolvidos no projeto. “Queremos, com a divulgação da descoberta, ampliar o conhecimento científico não só no círculo da comunidade acadêmica, mas também entre o público leigo”, completou. O Museu Nacional, situado dentro do parque da Quinta da Boa Vista, próximo ao Jardim Zoológico, funciona de terça a domingo, das 10h às 16h. O ingresso para as exposições custa R$ 3.

 

Leia o resumo do artigo publicado na Zootaxa em setembro.

Veja e baixe outras imagens

 

Site oficial de Unaysaurus tolentinoi

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes