O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Aplicativo Orbis mapeia e aproxima grupos sociais
Publicado em: 01/08/2019

Aplicativo Orbis mapeia e aproxima grupos sociais

Paula Guatimosim

Exemplos de telas e tribos do aplicativo: a inicial, a de fãs de música,
amantes de cervejas e torcedores de diversos times. 
Fotos: Divulgação Orbis

Em tempos de relações cada vez mais virtuais, nossas preferências de consumo e lazer, avaliações e fotos de eventos e baladas, dúvidas e trajetos, estão sendo monitorados em tempo real. Nosso histórico de navegação em sites e redes sociais deixa rastros e informações pessoais e os algoritmos estão aí para decodificar e organizar todos esses dados na Internet. Não é à toa que depois de uma busca comecem a aparecer anúncios nas páginas que visitamos em seguida sobre o tema pesquisado. Em meio a esse turbilhão de informações e pouco tempo dedicado a encontros reais é hora de usar a tecnologia para saber exatamente onde está a sua turma e marcar um “cara a cara”. E é isso que o aplicativo Orbis oferece: a  geolocalização via mapeamento coletivo de diferentes tribos sociais.

“Acredito na existência de um mapa ‘secreto’ nas cidades, locais onde grupos específicos com interesses comuns se reúnem”, explica Felipe Pires, que desenvolveu o app com apoio do programa Startup Rio: Apoio à Difusão de Ambiente de Inovação em Tecnologia Digital no Estado do RJ, uma parceria da FAPERJ com a Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). Com download gratuito para o sistema AndroidiPhone e web, o Orbis é como se fosse uma fusão do Foursquare, Guias locais, Meetup.com e comunidades do reddit, pois com os três principais botões – mapa, radar e grupos – o usuário se insere no mapa da cidade ou bairro em que está (residência, trabalho ou lazer), visualiza os locais e as tribos próximas, junta-se a um grupo existente ou, ainda, pode criar um novo grupo, postar fotos, vídeos e fazer comentários. Ou seja, o app, que já reúne quase 10 mil usuários, é uma ferramenta que ajuda pessoas que estão em áreas próximas a se conectarem em torno de interesses comuns.

“A grande vantagem é que a marcação dos locais onde os grupos se reúnem, as fotos e as avaliações são iniciativa dos usuários. Então, os points onde os grupos estão são sempre atuais e recentes”, explica Pires, que é sócio da especialista em marketing Anna Timoshenko e conta também com colaboradores para o desenvolvimento da ferramenta. Por isso, na medida em que os grupos e locais vão atraindo mais usuários, os círculos com os símbolos dos grupos no mapa vão aumentando de tamanho e os de menor trânsito vão ficando menores, até desaparecerem. Ou seja, o grupo que está maior no mapa é o que está bombando mais. As tribos, conta o desenvolvedor, têm os mais variados interesses, e incluem desde torcedores de times de futebol e praticantes de esportes, até amantes da gastronomia, natureza, fãs de praia, música, viagens, cerveja artesanal, integrantes de blocos de Carnaval etc. “O aplicativo reflete a interação das pessoas com a cidade”, resume Pires, que cursou Ciência da Computação. Além disso, o app conta com um feed com notícias do que ocorre em um raio de até 25 quilômetros da localização do usuário mostrando foto, texto e vídeos postados por outros usuários próximos.

Os sócios Felipe Pires e Anna Timoshenko querem conquistar o Rio e
São Paulo, mas o mercado potencial é de cinco mil municípios brasileiros

Fato curioso foi quando eles fizeram uma parceria do Orbis com o grupo Adoção Animal, no Facebook, que hoje é um dos casos de uso do app mais bem sucedidos. Observando o mapa do app, eles descobriram que no bairro ao lado havia uma cadelinha para adoção. Todo o processo foi feito via aplicativo e hoje Orbina, como foi batizada, é a mascote da Startup. Em sua coleira há uma medalhinha com a logomarca do app: a rosa dos ventos. A adoção deste símbolo para a marca tem a ver com o interesse de Felipe pela cartografia. Ele conta que o projeto foi inspirado no primeiro Atlas produzido no mundo, o Theatrum Orbis Terrarum, autoria do cartógrafo holandês Abraham Ortelius, em 1570. Ele acredita que os mapas da era do descobrimento são instigantes, pois não têm o mundo totalmente mapeado, dando margem à imaginação sobre terras e povos distantes.

Com o primeiro impulso do programa Startup Rio, os sócios puderam validar seu projeto e com isso participar do Startup Macaé, uma iniciativa da prefeitura do município para selecionar empresas que já disponibilizassem um produto inovador. O Startup Macaé é uma plataforma de conexão entre empreendedores, universidades, governo e empresas, com foco nas áreas de desenvolvimento, apoio e iniciação tecnológica, nos eixos da sustentabilidade, educação, saúde, indústria 4.0, governo e sociedade. O link para o “Mapa Social” do Orbis foi disponibilizado no portal do governo municipal de Macaé, e tem mapeado uma dezena de locais e grupos sociais, como o Mirante da Lagoa, onde está localizada a quadra de basquete, com informação do dia e horário dos jogos; a pista de ciclismo, o paintball, a cidade universitária, a plataforma de petróleo, hospital público, entre outros locais. Anna Timoshenko sentiu que as prefeituras são um filão e logo conquistou Búzios, que também já utiliza o Orbis, Rio das Ostras, que aderiu ao app na segunda quinzena de julho, e Duque de Caxias, que mantém um banner permanente no site da prefeitura. Os sócios estão empenhados em conquistar em breve a chancela das prefeituras de Rio de Janeiro e São Paulo. Mas o potencial de crescimento do aplicativo é bem maior, pois com a ajuda do Google Maps, o Orbis pode ser utilizado nos mapas dos mais de 5 mil municípios brasileiros.

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes