O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Startup usa inteligência de dados para auxiliar gestores da educação superior
Publicado em: 18/07/2019 | Atualizado em: 19/07/2019

Startup usa inteligência de dados para auxiliar gestores da educação superior

Juliana Passos

Gráfico simula perfil daqueles que se formam mais 
rapidamente em seus cursos. (Imagem: Reprodução)

Qual o perfil daqueles que estão deixando seus cursos nas universidades públicas ao longo dos anos? Qual o perfil dos estudantes que ingressam nas universidades particulares? Como atrair um determinado perfil de alunos para os cursos de ensino superior na rede privada? Para responder a perguntas como estas e auxiliar os gestores de universidades públicas e privadas, dois empreendedores decidiram criar a “Universidados”, empresa incubada pelo programa Startup Rio – uma parceria da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) com a FAPERJ, responsável pelo edital Startup Rio: Apoio à Difusão de Ambiente de Inovação em Tecnologia Digital no Estado do Rio de Janeiro. Trata-se de uma iniciativa voltada para o uso da inteligência de dados na tomada de decisões, em instituições de ensino superior, com o objetivo de reduzir a evasão e também o prolongamento de prazos para a conclusão dos cursos pelos alunos nas universidades. No começo de 2019, a empresa foi uma das 33 participantes do programa do BrazilLAB, acelerador de empresas ligadas à inovação no setor público.

A ideia de criação da empresa foi um desdobramento de um projeto para facilitar o acesso a oportunidades de estágio e emprego enquanto o engenheiro de computação Cristiano Mendes realizava seu curso na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Junto da especialista em marketing Sarah Fernandes, perceberam que, sem o auxílio dos gestores das instituições no fornecimento de dados, eles não conseguiriam ir muito longe e, por esta razão, decidiram entrar em contato com eles. No entanto, a logística para o transporte do volume de dados em diferentes formatos de arquivo tornou essa tarefa inviável. Ao mesmo tempo, Mendes descobriu uma fonte de dados preciosa. “O MEC [Ministério da Educação] dá acesso aberto ao uso de dados de todas as instituições de ensino superior exatamente com esse intuito: de que alguém se interesse em transformar aquele volume gigantesco de dados em conhecimento”, diz.

Os dados são repassados para o MEC pelas próprias instituições de ensino superior, que fornecem as informações ao ministério anualmente. De posse dos dados, Mendes, que se tornou sócio fundador da “Universidados”, decidiu contactar os gestores das universidades, que, segundo ele, demonstraram pouca familiaridade com o perfil dos alunos das instituições em que atuam. “Não é algo simples. A base de dados do MEC é enorme e apenas os dados de um ano têm cerca de 11 milhões de linhas de informações, algo que só um computador e programas específicos são capazes de operar. O Excel, por exemplo, está limitado a trabalhar com um milhão de linhas”, explica o engenheiro. Foi nesse momento, conta, que surgiu a ideia de criar o sistema Universidados Viz, para fornecimento de métricas para educação superior visando auxiliar na tomada de decisão.

De acordo com o diretor da startup é difícil traçar perfis únicos sobre evasão ou transferência de instituição, e que cada curso tem sua especificidade. Mas salienta que é possível perceber transferência de alunos de uma universidade para outra. Ele ressalva que não conseguem ter acesso aos dados a partir dos nomes de alunos. “Por respeito à privacidade dos estudantes, todos os dados são criptografados e não temos acesso ao CPF (Cadastro de Pessoa Física) ou mesmo ao nome completo. O que nossos estudos mostram são tendências e perfis por agrupamento”, explica Mendes.

Cristiano Mendes: uso de dados públicos para 
gerar conhecimento e negócios (Foto: Divulgação)

Entre as principais preocupações das universidades públicas, segundo Mendes, estão os índices de evasão e tempo tomado para a conclusão da graduação. “Ao dispor desses dados, como os recursos financeiros não são infinitos, a universidade pode entender o aluno e administrar melhor seu orçamento”, diz. Já na universidade privada, o sistema da “Universidados” pode auxiliar na elaboração de estratégias para manutenção e atração de novos alunos em determinado perfil.

Ainda em fase de finalização da versão comercial do sistema, o que deve ocorrer no segundo semestre de 2019, ele assegura que o ingresso no edital Startup Rio foi essencial para transformar a ideia de projeto em empresa. “Antes, nós pensávamos muito no assunto como um projeto, e, após sermos selecionados para o programa, passamos a pensar em métricas, metas e sustentabilidade da empresa. Como trabalhamos com big data em alto nível, também precisávamos de recursos para a compra de bons equipamentos e a contratação de profissionais para auxiliar. Esses foram nossos principais desafios e coincidiram com o suporte que o programa nos deu”, conclui.

 

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes