O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > As Olimpíadas do Rio em uma multiplicidade de olhares
Publicado em: 28/07/2016

As Olimpíadas do Rio em uma multiplicidade de olhares

Valentina Leite

Portal oferece diversas leituras sobre a relevância de assuntos
veiculados 
em mídias como Twitter e Instagram (Foto: reprodução) 

A partir da próxima semana, os olhos do mundo estarão voltados para o Brasil, mais especificamente para a cidade do Rio de Janeiro. É quando o País receberá aquele que é considerado, ao lado da Copa do Mundo de futebol, um dos maiores eventos esportivos do planeta. As Olimpíadas acontecerão pela primeira vez na América do Sul. Em clima pré-olímpico, as redes sociais, uma das principais formas de expressar interesse por algo em particular e de se comunicar globalmente, já estão abarrotadas de impressões e olhares diferenciados a respeito desse grande evento. Agora, essa imensa quantidade de informações postadas diariamente podem ser encontradas em um só lugar: no Observatório2016. O portal foi desenvolvido por Luiz Velho, coordenador do projeto e Cientista do Nosso Estado, da FAPERJ, e a designer Julia Giannella, ambos do Laboratório Visgraf, do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), de modo a englobar uma multiplicidade de olhares sobre as Olimpíadas.

Misturando comunicação e matemática, o Observatório2016 tem por objetivo coletar e analisar comentários e imagens dos Jogos Olímpicos, postados diariamente nas redes sociais, principalmente nos sites do Twitter e Instagram. Isso se dá por um sistema especializado de computadores, que lida com o chamado Big Data (grande volume de informações coletadas da Internet). Esse material é interpretado e transformado em um conteúdo acessível ao público no portal. Para Luiz Velho, a ideia é ter uma compreensão global diária do que está sendo falado sobre o evento. “Outros veículos não têm a possibilidade de fazer análises tão precisas”, garante o pesquisador do Impa.

O projeto foi criado em três fases principais. Na versão mais atual, denominada 2.0, o portal tem diversas novidades. É possível, por exemplo, acompanhar quais países aparecem, nas redes, relacionados a que esportes. O futebol, por exemplo, é a modalidade mais citada por usuários no Brasil. Outra ferramenta é o “Monitor de Temas”, que mostra, por meio de gráficos ilustrativos, assuntos ligados aos Jogos 2016 que circularam no Twitter em meses recentes, antecedentes à sua realização. Além disso, uma das áreas mais inovadoras do site é a “Olhares Controversos”, que mostra a visão de sites oficiais, em contraste com opiniões críticas em relação aos bastidores olímpicos, provenientes da mídia e da população.

Outra preocupação dos pesquisadores foi com a estética. “Criar um design que permitisse a interação com os internautas também foi um dos principais focos na hora de conceber o portal”, comenta Velho. No Observatório2016, gráficos das mais diversas formas e tamanhos, sempre coloridos, geram uma maneira simplificada de o visitante ler dados muito complexos. “O lema da nossa equipe é ‘matemática, arte e um pouco de tecnologia’. O projeto não podia ser diferente”, completa o coordenador.

Luiz Velho e Júlia Giannella: dupla responsável
pelo desenvolvimento do portal (Fotos: Divulgação) 

O site permanecerá acessível durante todo o período das Olimpíadas. No momento, assuntos como a tocha e as mudanças promovidas na cidade para receber a competição tomam conta do portal. A expectativa é que, durante o torneio, as provas e seus ganhadores ocupem espaço nas redes sociais e, com isso, apareçam com maior destaque nos gráficos. A ideia é que, mesmo após o evento, o portal sirva como memória digital dos Jogos 2016, ficando de legado para os interessados no assunto. “Para nós, o papel da ciência é gerar informação de qualidade para a sociedade. É isso o que queremos fazer com o projeto: fixar na memória do Brasil e do mundo o que as Olimpíadas deixaram, positiva ou negativamente, para o nosso País.”

Criado em 1989, o Laboratório Visgraf concentra pesquisas do Impa nas áreas de Visão, Computação Gráfica e Multimídia, tendo se consolidado, ao longo de 21 anos, como um núcleo de excelência, de reconhecida importância no cenário internacional, e uma das principais referências para a divulgação e o desenvolvimento da área no Brasil.

Para acessar o portal, acesse o link: http://oo.impa.br/

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email Compartilhar no WhatsApp
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes