O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Programa Start-Up Rio chega à sua segunda edição
Publicado em: 20/08/2015

Programa Start-Up Rio chega à sua segunda edição

O secretário de C,T&I, Gustavo Tutuca, fala sobre o programa
Start-up Rio durante o Demo Day (Fotos: Lécio A. Ramos)       


Dois dias depois de ser anunciado pelo secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Gustavo Tutuca, foi lançada nesta quinta (20/8), pela Fundação, a segunda edição do programa Start-Up RioApoio à Difusão de Ambiente de Inovação em Tecnologia Digital – parceria entre a Secretaria Estadual de C,T&I (Secti) e a FAPERJ para incentivar a transformação de ideias na área de tecnologia digital em produtos inovadores. O anúncio foi antecipado pelo secretário durante um encontro entre empreendedores e investidores do programa nesta terça-feira, 18 de agosto, no Salão Nobre do Parque Lage, no bairro do Jardim Botânico, Zona Sul do Rio. Conhecido como Demo Day, o evento lotou o espaço, onde foram apresentados os principais projetos da primeira edição do programa. Na ocasião, além de Gustavo Tutuca, estiveram presentes o secretário de Trabalho e Renda, Arolde de Oliveira, a secretária de Cultura, Eva Doris Rosental,
o coordenador do programa, Otakar Guilherme Svacina, o presidente da FAPERJ, Augusto C. Raupp, a diretora de Tecnologia da Fundação, Eliete Bouskela, o assessor da presidência, José Roberto Gomes da Costa e diversas outras autoridades.

O secretário elogiou os projetos apresentados e destacou a importância das parcerias para a continuidade do sucesso do programa. “Sem o apoio do Sebrae e de diferentes empresas que nos ajudaram, cedendo tecnologia e ministrando cursos a nossos empreendedores, não teríamos obtido o sucesso que alcançamos, com a qualidade dos produtos que estão sendo aqui apresentados”, afirmou. Um dos investidores presentes, o representante da Bozano Investimentos, Guilherme de Carlos, concordou com a avaliação do secretário: “Esse apoio do estado, tanto no financiamento quanto no treinamento, é essencial para estimular o mercado. É como funciona nos países de Primeiro Mundo, e é bom sabermos que o governo do estado está de acordo com o que pensamos. Já vi aqui ideias muito promissoras e com grande potencial. Acredito que teremos boas oportunidades de negócios”, acrescentou de Carlos.

Demo Day atraiu um bom público ao Parque Lage,
interessado em novidades na área de Tecnologia


A secretária estadual de Cultura lembrou a parceria entre a Secti, a FAPERJ e sua secretaria, fechada por meio da Incubadora de Empreendimentos Rio Criativo, que apoia iniciativas na área da chamada economia criativa – modelos de negócio ou de gestão que dão origem a atividades, produtos ou serviços desenvolvidos a partir do conhecimento, criatividade ou capital intelectual, visando a geração de trabalho e renda. “Por enquanto, ainda estamos desenvolvendo nossos projetos no espaço onde antes funcionava o Liceu de Artes e Ofícios, na Praça Onze, mas em breve mudaremos para a sede do programa Start-Up Rio, no bairro do Catete. Ali, esperamos não apenas estabelecer novas parcerias, mas também incentivar ainda mais o ambiente de negócios”, destacou Eva Doris Rosental. 

O presidente da FAPERJ, Augusto C. Raupp (à dir.),
foi o moderador de mesa sobre o papel do estado
no fomento ao empreendedorismo digital
   




Entre os inúmeros projetos apresentados, havia diversos aplicativos, com diferentes empregos. Um deles, por exemplo, visava a verificação, em tempo real, de preços em supermercados; outro tinha como objetivo a fidelização de clientes no varejo por meio de promoções exclusivas de grandes marcas; enquanto um terceiro podia ser consultado para localizar os pet shops mais próximos do usuário; e um quarto incentivava a transformação de ideias inovadoras em produtos.

O game designer Rodrigo Coelho foi um dos empreendedores a apresentar seu projeto, um portal voltado exclusivamente para venda e divulgação de games nacionais. “O Brasil é o quarto maior mercado de games do mundo e produz uma grande quantidade deles para exportação. Como são pouco divulgados, o público acaba não conhecendo os jogos nacionais. Para reverter essa situação, além de oferecer a venda direta desses games com desconto, nosso site oferece semanalmente a portais e revistas especializados um game para que eles possam testar e divulgar. Os usuários também podem conhecer e testar os lançamentos em nosso site”, explicou Coelho. Já empreendedora Carolina Zarur apresentou um serviço de consultoria de turismo, em tempo real, com informações prestadas por especialistas, moradores da cidade.

O game designer Rodrigo Coelho apresenta portal
 de divulgação e venda de games nacionais


O evento contou ainda com uma mesa-redonda sobre o papel do estado no fomento ao empreendedorismo digital, moderada pelo presidente da FAPERJ, Augusto C. Raupp, com participação do diretor-superintendente do Sebrae-RJ, Cesar Vasquez; do diretor geral da Endeavor Brasil, Juliano Seabra, e do presidente da Associação Brasileira de Start-Ups, André Diamand. Raupp, que antes de assumir a presidência da FAPERJ participou da criação do Start-Up Rio, elogiou o nível dos empreendedores. “Eles evoluíram demais e fizeram apresentações fantásticas de seus projetos. É gratificante constatar o bom retorno para a sociedade”, afirmou Raupp. Ele ainda destacou a importância do Start-Up Rio para incentivar a economia local. “Com um programa como este, o governo cria um ecossistema de negócios favorável para estimular a  economia, os investimentos e a geração de empregos”, concluiu.



O edital Apoio à Difusão de Ambiente de Inovação em Tecnologia Digital (Start-Up Rio 2015)

Para fazer avançar as inúmeras soluções criativas que o universo digital possibilita, a Fundação lança, nesta quinta-feira, 20 de agosto, a segunda edição do edital Apoio à Difusão de Ambiente de Inovação em Tecnologia Digital (Start-Up Rio 2015).  Voltado a incentivar projetos que possam vir a se tornar empresas nascentes de base tecnológica – start-ups –, o programa estimula uma cultura de inovação, criando uma massa de novas ideias que possam ser validadas e apropriadas pelo mercado e transformando o estado do Rio de Janeiro num ambiente propício e atrativo para o desenvolvimento do empreendedorismo digital.

Podem submeter projetos inventores independentes, que, com o apoio de uma equipe, se constituirão em start-ups fluminenses em três áreas: Serviços de Internet, Tecnologias Sustentáveis e Mídias Digitais. Cada equipe deverá designar um coordenador, a quem caberá a submissão do projeto. E cada um dos projetos poderá solicitar recursos de até R$ 60 mil.

Com um total de recursos de R$ 5 milhões, o programa Start-Up Rio 2015 terá três fases. A primeira delas selecionará até 60 propostas, que, ao longo de três meses, participarão do Programa Avançado de Formação Empreendedora (Pafe). Nesse período, os escolhidos poderão ocupar o espaço de co-working, onde receberão treinamento, consultoria e participarão de atividades de técnicas de gestão, nivelamento, validação da ideia e construção de plano de negócios e contarão com supervisão individual pela equipe gestora do programa.

Uma vez completado este período, os contemplados passarão por uma nova avaliação, para serem classificados à Fase 2 – em número de até 50. Igualmente com duração de três meses, esta fase também incluirá atividades de treinamento em desenvolvimento de produto, técnicas de vendas, construção de protótipo e gestão de empresas, sob a supervisão da equipe do programa. Ao final dessa fase, os projetos serão submetidos a uma nova avaliação, que lhes permitirá passar à Fase 3. Com seis meses de duração, a Fase 3 possibilitará aos aprovados o direito de continuar trabalhando de forma gratuita no espaço de co-working, de participar de eventos relacionados ao programa e receber consultoria especializada.

O programa financiará despesas de capital, como a aquisição de materiais permanentes e de equipamentos; e despesas de custeio, entre as quais se incluem serviços de terceiros (pessoas físicas ou jurídicas), de caráter eventual, para manutenção de equipamentos e de material permanente ou desenvolvimento e manutenção de software; diárias, no território nacional ou internacional, desde que essenciais à execução do projeto; passagens, no território nacional ou internacional, imprescindíveis à execução do projeto e aprovadas pela coordenação do edital; material de consumo, componentes ou peças de reposição de equipamentos; e despesas de importação (até o limite máximo de 20% do valor do bem importado).

O prazo para inscrição de projetos se estende até o dia 29 de outubro e a divulgação dos resultados preliminares está prevista para acontecer a partir de 15 de dezembro. A entrega da documentação para comprovação da regularidade econômica e financeira para projetos pré-qualificados deverá ser feita entre 16 de dezembro de 2015 e 15 de janeiro de 2016. O calendário prevê a divulgação do resultado final a partir de 21 de janeiro de 2016. A confirmação da inscrição pelo proponente, presencialmente, no Programa STARTUP, situado na Rua do Catete, 243, Catete, deverá ser feita nos dias 25 ou 26 de janeiro de 2016, e o início das atividades da turma 2016 está previsto para 15 de fevereiro de 2016.

Confira a íntegra do edital Apoio à Difusão de Ambiente de Inovação em Tecnologia Digital (Start-Up Rio 2015) 

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes