O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Fundação divulga resultado de mais três programas
Publicado em: 31/07/2014

Fundação divulga resultado de mais três programas


Em continuidade a seu cronograma, a Fundação divulga, nesta quinta-feira, 31 de julho, o resultado final de mais dois de seus editais: Treinamento e Capacitação Técnica – 2014 e Apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico regional (DCTR) – 2014, assim como a listagem preliminar dos pré-selecionados no Apoio ao desenvolvimento de inovações no esporte – 2014. No total, 152 novos projetos foram contemplados nos três programas.

Treinamento e capacitação técnica (TCT) 

Para promover o aprimoramento de técnicos dos níveis fundamental, médio e superior, que participem de atividades de apoio a projetos financiados pela FAPERJ, a Fundação divulga o resultado da edição 2014 do edital "Treinamento e Capacitação Técnica (TCT)". Com recursos de R$ 2 milhões e voltado a valorizar a formação de seus participantes, com vistas a seu posterior ingresso no mercado de trabalho, o programa financiará 100 novos projetos. Entre as instituições que tiveram mais propostas contempladas, estão a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com 27; a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), com 20; e a Fundação Oswaldo Cruz, com 15.

Puderam inscrever propostas pesquisadores com grau de doutor ou equivalente e vínculo empregatício/funcional em instituições de ensino e pesquisa sediadas no estado, com projetos já financiados pela FAPERJ, ativos e em desenvolvimento. Neste caso, porém, não foram considerados projetos relativos ao Auxílio Instalação (INST); Auxílio à Organização de Eventos (APQ – 2); Auxílio Editoração (APQ 3); Auxílio para Participação em Reunião Científica (APQ 5); e Auxílio a Pesquisador Visitante (APV).

Segundo as exigências do edital, o bolsista indicado deve ser técnico de nível fundamental, médio ou superior, com ou sem pós-graduação, com aptidão específica e essencial à execução de projeto, ao qual precisará se dedicar 40 horas semanais. Também ficou especificado que o indicado não poderia ter vínculo empregatício, público ou privado, nem acumular qualquer outra bolsa. Ficou ainda proibida a concessão dessa bolsa a aluno matriculado em curso de pós-graduação stricto sensu.

Com duração de 12 meses, admitindo-se, no máximo, duas renovações por igual período, as bolsas estarão classificadas em diferentes faixas, de acordo com a atividade a ser desenvolvida: TCT 1, para técnicos de nível fundamental, sem formação específica; TCT 2, para técnicos de nível médio, sem formação específica; TCT 3, para técnicos de nível médio, com formação específica na área a que se destina; TCT 4, para técnicos de nível superior, com formação específica na área a que se destina; e TCT 5, para técnicos com pós-graduação stricto sensu, a nível de mestrado, com formação específica na área a que se destina. As bolsas começam a vigorar a partir de 1 de setembro de 2014.

Apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico regional (DCTR) 

Como forma de contribuir para a interiorização da ciência e tecnologia no estado do Rio de Janeiro, a FAPERJ divulga seu apoio a 35 novos projetos, contemplados no edital Apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico regional (DCTR). Entre eles, 11 tiveram origem na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf); sete na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ); e seis na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Procurando investir no fomento de vocações e prioridades regionais que contribuam para o desenvolvimento socioeconômico das diversas regiões situadas fora da área metropolitana do estado, o programa conta com recursos da ordem de R$ 4 milhões, a serem aplicados no estímulo à interiorização do crescimento científico e tecnológico fluminense. Com isso, visa-se aperfeiçoar a infraestrutura de instituições de ensino superior e pesquisa, ou de seus campi regionais, sediados na extensa área compreendida pelos municípios fora da região metropolitana fluminense.

Puderam submeter projetos pesquisadores com grau de doutor ou equivalente, produção científica ou tecnológica de qualidade nos últimos cinco anos, desde que não pertencessem a mais de um grupo com propostas inscritas no presente edital, nem tivessem tido projetos contemplados nos editais de 2010 ou de 2012. Também deviam apresentar vínculo empregatício ou funcional em instituições de ensino superior e de pesquisa sediadas no estado, desde que suas atividades profissionais fossem exercidas em tempo integral e fora da região metropolitana fluminense.

Encaminhadas pelo coordenador de cada equipe, com anuência de sua instituição de origem, cada um dos projetos deveria refletir a necessidade de aquisição de equipamentos ou de pequenas obras de infraestrutura que possibilitassem a execução de um conjunto articulado de linhas de pesquisa. Também precisaram ser especificadas de forma explícita as metas a serem atingidas em cada proposta, de modo a permitir seu acompanhamento e avaliação. Segundo o edital, a equipe responsável pela realização do projeto também poderia contar com pós-graduandos, estagiários e funcionários técnico-administrativos do quadro das instituições partícipes.

Enquadradas em uma de três faixas, as propostas foram classificadas segundo o montante de recursos solicitados: Faixa A: entre R$ 250.001 e R$ 400 mil (em que serão apoiadas até seis propostas); Faixa B: entre R$ 100.001 e R$ 250 mil; Faixa C: até R$ 100 mil. Os recursos do edital poderão custear despesas de capital, como a aquisição de materiais permanentes e equipamentos; e despesas de custeio, como serviços de terceiros (pessoas físicas e jurídicas), com caráter eventual, incluindo manutenção de equipamentos e material permanente, e a realização de reparos e adaptações de bens imóveis; diárias e passagens, até o limite de 5% do montante solicitado em despesas de custeio (desde que compreendam despesas necessárias para o desenvolvimento do projeto de pesquisa), não sendo permitidas diárias e passagens para participação em reuniões científicas; material de consumo, componentes e/ou peças de reposição de equipamentos; pequenas obras de infraestrutura e instalações; e despesas de importação.

Entre diversos critérios, na análise e na avaliação dos projetos, foram considerados seu mérito técnico-científico; sua originalidade, integração e definição de objetivos; a experiência e a capacidade técnica do proponente pelo desenvolvimento dos projetos; sua aplicabilidade e relevância para o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e social da região do estado onde será desenvolvido; o impacto no desenvolvimento de programas de pós-graduação stricto sensu fora da região metropolitana do Rio de Janeiro.

Apoio ao Desenvolvimento de Inovações no Esporte

Com 17 propostas contempladas, o edital Apoio ao desenvolvimento de inovações no esporte no estado do Rio de Janeiro se destina ao desenvolvimento de projetos inovadores, de caráter científico ou tecnológico para a preparação de atletas, formação de treinadores e desenvolvimento de produtos, serviços, insumos, equipamentos novos ou expressivamente aprimorados, que envolvam significativo risco tecnológico. O programa conta com um total de recursos da ordem de R$ 2,5 milhões, a serem pagos em duas parcelas. Entre as instituições participantes, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) foi a que mais projetos aprovou, com quatro, seguida pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio), com dois.

Puderam ser proponentes equipes formadas por pesquisadores com vínculo empregatício ou funcional com instituições de ensino e pesquisa no estado; empresas públicas fluminenses que tenham atividades de pesquisa ou de desenvolvimento em ciência, tecnologia ou inovação; empresas brasileiras, consorciadas ou não, relacionadas ao esporte; sociedades cooperativas relacionadas ao esporte; inventores independentes residentes no estado; ou empreendedores individuais.

As propostas inscritas deveriam abordar um dos temas definidos no edital, entre os quais inseriam-se a massificação da prática esportiva; o estabelecimento de excelência nessa prática; a capacitação e a atualização de treinadores; a melhoria e a modernização da infraestrutura necessária; o desenvolvimento de equipamentos e de soluções tecnológicas para essa prática; e a introdução de novos materiais no desenvolvimento ou na produção de equipamentos esportivos.

Formadas por pesquisadores com vínculo empregatício/funcional em instituições de ensino e pesquisa fluminenses, cada uma das equipes deveria nomear um coordenador, ficando os demais participantes como pesquisadores associados. Todos deveriam ter grau de doutor ou equivalente, comprovar estar ativa e produtivamente envolvidos em pesquisa relevante para a proposta; com produção e experiência relacionadas ao tema a ser desenvolvido, em especial nos últimos cinco anos.

Poderiam ainda fazer parte da equipe pesquisadores vinculados a instituições de outros estados brasileiros ou estrangeiros, assim como pesquisadores aposentados, mas reconhecidamente ativos junto à sua instituição de origem, desde que devidamente credenciados e com a anuência dessa instituição, expressa em documento anexado ao projeto. No caso de empresas ou sociedades cooperativas, o proponente será, obrigatoriamente, a pessoa jurídica, representada por seu responsável legal, formalmente designado nos estatutos.

Os recursos do programa poderão custear despesas de capital, como a aquisição de materiais permanentes e equipamentos; e despesas de custeio, como serviços de terceiros (pessoas físicas e jurídicas), com caráter eventual, incluindo manutenção de equipamentos e material permanente, e a realização de reparos e adaptações de bens imóveis; diárias e passagens, até o limite de 5% do montante solicitado em despesas de custeio (desde que compreendam despesas necessárias para o desenvolvimento do projeto de pesquisa), não sendo permitidas diárias e passagens para participação em reuniões científicas; material de consumo, componentes e/ou peças de reposição de equipamentos; pequenas obras de infraestrutura e instalações; e despesas de importação.

Os contemplados agora, conforme o caso, deverão entregar à Fundação, até 22 de agosto, sua documentação de comprovação fiscal e jurídica. A divulgação do resultado final está prevista para acontecer a partir de 18 de setembro.

Confira a listagem completa dos contemplados no edital Treinamento e Capacitação Técnica – 2014

Confira a listagem completa dos contemplados no edital Apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico regional (DCTR) – 2014

Confira a listagem completa dos pré-selecionados no edital Apoio ao desenvolvimento de inovações no esporte – 2014 

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes