O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Uma nova maneira de se fazer turismo
Publicado em: 29/05/2014

Uma nova maneira de se fazer turismo

Reprodução 

         
       Parque estadual dos três Picos: documentário apresenta, em 
        depoimentos de moradores, o conceito do turismo solidário 
    
Vinicius Zepeda

Maria é dona do restaurante João e Maria, em Salinas, na divisa das cidades de Nova Friburgo e Teresópolis, região serrana fluminense. Acostumada com a vida rural, ela lembra os ensinamentos de sua mãe, que preparava batata-doce caramelizada no vapor quando criança. Hoje, o doce com sabor de infância é oferecido em seu restaurante aos clientes. "Aprendi os valores da zona rural e que chique é ser roceiro", afirma ela em depoimento o documentário Circuito Três Picos. Com cerca de trinta minutos, dirigido por Rafael Fortunato, coordenador do curso de Turismo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), e Fernando Fernandes, o vídeo apresenta depoimentos de moradores da região na perpectiva do chamado turismo solidário, que segundor Fortunato se baseia nos chamados 6 "Vs": visitação, vivências, vendas, vínculos e veiculação. "Essa modalidade de turismo se caracteriza basicamente pelas iniciativas das associações de moradores em criar redes de solidariedade entre os habitantes de locais menos abastados que mostram seus valores e sua cultura aos visitantes. Nesse processo, há geração de renda complementar, resgate de autoestima e troca de experiências com os turistas", explica Fortunato. O documentário foi desenvolvido com apoio do "Auxílio à Instalação", da FAPERJ, o que permitiu a compra de uma filmadora e de uma câmera fotográfica de alta qualidade.

Criado em 2002 e pouco conhecido dos fluminenses, o parque estadual dos Três Picos é o maior do estado, estendendo-se por aproximadamente 46 mil hectares em cinco municípios – Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo, Teresópolis, Silva Jardim e Guapimirim. O nome do parque é uma referência às três montanhas que se fundem e alcançam uma altura de mais de dois mil metros, no chamado Pico Maior de Friburgo, ponto culminante da Serra do Mar. O local é repleto de cachoeiras e pontos para caminhadas e escaladas, e os moradores do entorno vivem basicamente do agroturismo e da agricultura.

Um dos personagens de Circuito Três Picos, Pedro, dono da Pousada dos Paula, explica bem como funciona a iniciativa e seus resultados. "Em nosso estabelecimento, colocamos em exposição artesanato, doces e produtos agrícolas típicos da região para os turistas que aqui se hospedam, explicando que eles podem conhecer mais detalhes no próprio local onde vive o morador. Também apoiamos o projeto vivências rurais, em que o produtor vende o produto direto ao turista, sem atravessadores", destaca Pedro. "Verificamos que essas iniciativas contribuíram para resgatar a autoestima e a renda familiar do pessoal local", complementa.

Gabi Nehring
     
BoreArt: galeria de grafiteiros a céu aberto no Morro do Borel está entre 
os pontos turísticos exibidos no documentário que está sendo finalizado


A história da região é apresentado por Zezé e Rityelle. Agricultor e sanfoneiro, Zezé se apresenta em festas típicas no período que vai de junho a setembro. Estudante do segundo segmento do Ensino Fundamental, Rityelle investiga a própria história de sua família japonesa. "Procuro traçar a história dos imigrantes que começaram a se fixar em Friburgo em 1945. A minha família foi a primeira a ficar, em 1945. Além de contar esta história, costumo realizar oficinas, expor e vender origamis, como forma de preservar uma tradição dos meus antepassados", complementa a estudante.


Segundo Fortunato, Circuito Três Picos é o primeiro realizado com apoio da FAPERJ e o quarto da série de documentários "Retratos do Brasil", que desde meados de 2012 vem apresentando os resultados da Rede Brasilidade Solidária. A rede é um projeto de extensão universitária da Uerj iniciado no segundo semestre de 2013, em que professores da universidade oferecem o curso gratuito "Comercialização e Gestão do Turismo Solidário" em diversas comunidades de baixa renda do estado. Em turmas com um mínimo de 20 pessoas, o curso capacita moradores a promoverem o turismo solidário e formar redes para disseminação e divulgação da proposta. "Em aulas teóricas e práticas, discutimos com os moradores a viabilidade e as formas de construir parcerias", destaca Fortunato.

Atualmente, a equipe de Fortunato está terminando de finalizar mais um curso de extensão sobre o tema no Moro do Borel, Zona Norte do Rio. A expectativa é de que o vídeo, que deverá se chamar Borel tour: tradição e vivências num morro carioca, esteja pronto em cerca de um mês. "O Borel foi uma das primeiras favelas do Rio e a primeira a ter uma associação de moradores. Segundo os moradores, a ideia do turismo é fazer com que sua história não seja esquecida." No vídeo, serão exibidas as iniciativas sociais desenvolvidas na comunidade para que os turistas possam não apenas conhecer, mas possivelmente apoiá-las. "O projeto BoreArt, por exemplo, é uma galeria de grafiteiros a ceú aberto; outro morador faz arte com material reciclado; e existe ainda o mirante do Morro do Cruzeiro, um belo ponto de observação da cidade que ainda é pouco conhecido. Todos eles aparecem no vídeo", explica.

 Divulgação/Uerj

          
     Fortunato: uma nova maneira
     de pensar, ver e fazer turismo
Em Barra de Guaratiba, Zona Oeste do Rio, Rafael Fortunato demonstra já grande entusiasmo com o curso que ainda está em andamento. "Além do resgate da história dos pescadores, vimos o potencial do artesanato ali desenvolvido, as praias protegidas da região e as belezas naturais do maciço da Pedra Branca, com sua Pedra do Telégrafo, que tem uma vista linda da cidade do Rio e também é pouco conhecida", anima-se. Segundo Fortunato, a equipe também está investindo na filmagem de esportes como alpinismo, caminhadas por trilhas e stand-up padle – uma espécie de remo, praticado de pé sobre uma prancha semelhante a de surf, geralmente nas águas calmas de rios e lagoas.

Circuito Três Picos pode ser acessado no You Tube e no site www.brasilidadesolidaria.com. Os outros vídeos que forem sendo desenvolvidos ao longo dos curso também serão disponibilizados nesse mesmo site da Internet. Fortunato acredita que eles possam ajudar a difundir a iniciativa do turismo solidário. "Difundindo essa proposta, estaremos dando visibilidade a diversos projetos interessantes e contribuindo com a superação de problemas sociais e ambientais em diversas localidades. Afinal, essa é realmente uma nova maneira de se pensar, ver e fazer turismo", conclui.

Para assistir ao documentário Circuito Três Picos acesse: https://www.youtube.com/watch?v=lqBo-JWSwrg&feature=youtu.be

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes