O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Uma análise da adolescência ao longo da história
Publicado em: 12/02/2010

Uma análise da adolescência ao longo da história


Débora Motta

                           Reprodução 

  
   Livro aponta a construção social
   da adolescência na modernidade

O termo "adolescência" vem do latim adulescens ou adolescens – particípio passado do verbo adolescere, que significa crescer. No entanto, o conceito de adolescência enquanto um período particular da vida de um indivíduo, situado entre a infância e a vida adulta, é recente na história da humanidade. De acordo com a psicanalista Luciana Gageiro Coutinho, professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF) e autora do livro Adolescência e errância – destinos do laço social no contemporâneo (editora Nau, 2009), contemplado pelo programa Apoio à Editoração da FAPERJ (APQ3), o conceito de adolescência só foi criado pela cultura ocidental no final do século XIX, motivado pela ética individualista romântica.

Na obra, a autora empreende um longo percurso para explicar como a adolescência foi percebida no decorrer de vários períodos históricos, desde a Antiguidade clássica, passando pela Idade Média, pelo período romântico, que acompanhou o advento das revoluções burguesas, até chegar à modernidade. "A adolescência é um fato cultural, pois o modo como cada sociedade lida com os seus jovens é particular e articulado a todo o seu contexto sociocultural e histórico. A passagem da infância à maturidade, vivenciada como a ‘crise adolescente’, é um produto típico da nossa civilização", afirma Luciana, acrescentando que em outras épocas não existia um tratamento social diferenciado aos adolescentes.

A construção social da adolescência na família moderna é fruto de uma série de transformações socioeconômicas que a civilização ocidental sofreu ao longo dos séculos XVIII e XIX, que marcaram a chegada do ideal individualista. O romantismo e a modernidade ajudaram a disseminar o individualismo e propiciaram o surgimento do entendimento atual da adolescência, no sentido de que cada sujeito é livre para construir uma trajetória singular. "O adolescente busca as suas próprias referências, marcando com isso a sua singularidade em relação à família", diz a pesquisadora, lembrando que o romantismo surgiu em oposição ao culto à racionalidade e à ordem, ligado ao Iluminismo e ao Protestantismo, e era marcado pela paixão pela natureza e pela busca pela autenticidade.

Já no século XX, a adolescência passou a ocupar um lugar cada vez mais importante no imaginário social. Com a escolarização prolongada e a introdução de um sistema de ensino segmentado, de acordo com as diversas áreas do conhecimento, o período de dependência dos jovens em relação aos pais cresceu. Estendeu-se o prazo entre a puberdade e o casamento e os jovens passaram a deixar a casa dos pais cada vez mais tarde. "Assim,  consolidou-se o conceito de adolescência e instalou-se o conflito de gerações  que marcou  todo o período libertário dos anos 1960. Mas, paradoxalmente, a  sociedade passou a idealizar a adolescência como um período em que a ordem é aproveitar a vida livremente.  E cada vez mais todos desejam ocupar a posição de adolescentes eternamente, inclusive os adultos”, avalia Luciana.

A situação da adolescência do início do século XXI já se distancia da situação da adolescência do início do século XX. Para a psicanalista, o que caracteriza o jovem de hoje é o fato de estar submetido às mudanças aceleradas pelas quais vem passando a sociedade contemporânea. "O que marca a geração atual é a sua imersão na sociedade de consumo, centrada no presente e na posse de objetos e as influências das novas tecnologias, da mídia, do telefone celular e da Internet, que repercutem em várias dimensões da vida do jovem", diz Luciana. “A adolescência hoje é marcada por desafios na construção de projetos futuros, pela busca por novas maneiras de se relacionar amorosa e sexualmente e pelo envolvimento por vezes problemático com drogas e situações de violência”, acrescenta.

Com o acirramento do individualismo, estimulado pela sociedade de consumo, as bases de sustentação de ideais coletivos e relativamente estáveis se dissipam. "Nesse contexto, os ideais de liberdade e autonomia tornam-se radicais, de modo que o que é dito aos jovens é que seu futuro depende única e exclusivamente deles e que eles devem romper com o passado e com as tradições, para que possam se destacar do todo pela sua singularidade e autenticidade. Assim, o caminho em direção a uma travessia da adolescência complica-se, na medida em que o jovem não encontra na cultura referências que possam lhe auxiliar neste momento de passagem", pondera.

O trabalho psíquico da adolescência implica na busca por novas referências subjetivas, ou seja, novos ideais do “eu”. As chamadas “tribos” urbanas – como a dos atuais emos, dos punks dos anos 1980, ou dos hippies nos anos 1960 – representam uma forma de tornar o trabalho psíquico da adolescência menos solitário. “Cada tribo tem uma proposta  e um modo de funcionamento diferente, que se sustenta através de identificações entre os seus membros.  Mas os rumos tomados  por cada sujeito  a partir de seus laços  na tribo podem ser diferentes, não há determinismo”, observa Luciana.

Em meio à fragilização das instituições sociais tradicionais, como o Estado, a Igreja e a família, há um enfraquecimento da autoridade que norteou a educação de outras gerações. “Isso traz consequências nem sempre favoráveis para os adolescentes de hoje, já que a subjetivação implica na inscrição de uma Lei”, afirma Luciana. Ela, no entanto, acredita que colocar a culpa apenas na família pela “falta de pulso” é uma visão parcial, que exclui fatores sociais, culturais e políticos. “O adolescente expressa o drama do sujeito contemporâneo. Ele é, por definição, um indivíduo errante, em pleno trabalho de elaboração e apropriação do laço social, entre o desamparo e a busca permanente por pontos de ancoragem”, conclui.

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes