O seu browser não suporta Javascript!
Você está em: Página Inicial > Comunicação > Arquivo de Notícias > Vírus da dengue pode levar a transtornos neurológicos
Publicado em: 27/01/2010

Vírus da dengue pode levar a transtornos neurológicos

Vilma Homero

 Vinicius Marinho/ Fiocruz Multimagens

   
         Entre 1% e 5% dos casos de dengue evoluem para
         transtornos neurológicos, como mielite e encefalite



Durante a epidemia de dengue de 2002, muitos pacientes não diagnosticados com a doença deram entrada nos hospitais da rede pública com quadros neurológicos. Segundo a neurologista Marzia Puccioni-Sohler, não se tratava de coincidência. Como mostrou na pesquisa que coordena na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a presença do vírus da dengue pode desencadear doenças neurológicas, como a encefalite, a meningite, ou a síndrome de Guillain-Barrè. Para confirmar e também compreender melhor a associação entre a infecção pelo vírus da dengue e as manifestações neurológicas, o estudo pesquisou a produção de anticorpos contra o vírus no sistema nervoso. Essa confirmação não apenas facilita o diagnóstico precoce das doenças associadas à dengue, como permite que se trace um tratamento mais eficaz.

"Nossa dúvida era se a dengue causava ou não doença neurológica. Encontramos tantos casos neurológicos que poderiam estar associados à dengue que, para confirmar essa relação, decidimos testar a presença de anticorpos de fase aguda nesses pacientes, independente de história prévia de dengue. Porque vários deles não apresentavam sintomas da dengue clássica e muitos eram assintomáticos", fala a pesquisadora. Seu estudo "Síntese Intratecal de Anticorpos na Dengue", desenvolvido no Laboratório de Líquido Cefalorraquidiano do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, foi recentemente publicado na revista Neurology, como um dos sete destaques da edição e motivo de entrevista pela American Academy of Neurology. O trabalho contou com apoio do Auxílio à Pesquisa (APQ 1), da FAPERJ.

Entre os casos de dengue provocados pelos vírus da dengue (dos tipos 2 e 3), de 1% a 5% evoluem para doenças neurológicas. Isso tanto pode acontecer pela atuação direta do vírus sobre o sistema nervoso, provocando inflamações – como no caso da mielite e da encefalite –, quanto pelo desenvolvimento de doenças neurológicas devido a uma reação imunológica, cujos sintomas costumam surgir cerca de um mês depois da contaminação pelo vírus.

"No Rio de Janeiro, isso é preocupante. O estado é uma área endêmica, com alta incidência de dengue. Por isso, sugerimos que, em situações de epidemia, os casos de mielite, encefalite e síndrome de Guillain-Barrè sejam investigados. Isso pode ser feito com pesquisa de anticorpos IgM ou procurando detectar a presença de vírus no líquido cefalorraquiano ou no sangue desses pacientes", aponta a neurologista.

A equipe coordenada por Marzia analisou amostras de 10 pacientes com sorologia positiva para dengue – entre eles, casos com sintomas neurológicos de encefalite, mielite, neuromielite óptica e síndrome de Guillain-Barré. Durante a pesquisa, foi possível observar a existência de síntese de anticorpos antidengue no líquido cefalorraquiano de pacientes com mielite. "Isso demonstra que se pode ter um marcador de infecção viral no sistema nervoso. Em pacientes com mielite – inflamação da medula espinhal –, por exemplo, essa produção de anticorpos no sistema nervoso se torna um marcador da ação do vírus da dengue", explica. Para a pesquisadora, esse passa a ser um grande apoio ao diagnóstico à mielite associada à dengue e permite a melhor compreensão da origem desta manifestação neurológica provavelmente relacionada à invasão viral.

Embora nos pacientes com neuromielite óptica e síndrome de Guillain-Barré, não se tenha registrado produção de anticorpos contra o vírus da dengue, isso não significa que não haja relação entre as duas doenças. "Nesses casos, devemos considerar uma provável causa autoimune desencadeada pela presença do vírus", explica Marzia.

 Divulgação/ UFRJ
  
   A equipe de pesquisadores reunida no laboratório: Jorge Mauro
   (à esq.), Marzia Puccioni Sohler, José Mauro Peralta e Luis Cláudio Faria   

A síndrome de Guillain-Barré apresenta características distintas."Trata-se de uma doença autoimune, precedida por uma infecção, provocada muitas vezes pela entrada de um vírus no sistema nervoso, que ativa o sistema imunológico, gerando uma reação imune contra proteínas do sistema nervoso periférico", explica. Segundo a pesquisadora, esses anticorpos confundem as proteínas do próprio organismo com proteínas do vírus com o qual tiveram contato, e passam a atacá-las. É essa reação que leva à síndrome de Guillain-Barré, doença inflamatória das raízes dos nervos. "Que, nesse caso, é desencadeada pelo vírus da dengue", diz a pesquisadora. A neuromielite ótica também é provocada por processo semelhante.

Os sintomas da dengue já são bem conhecidos: febre alta, dor de cabeça intensa, desânimo e dores nas articulações, mialgia e dor retro-ocular. Nos casos de encefalite, no entanto, há repentina redução do nível de consciência, sonolência, convulsões, déficit neurológico focal, como perda da força de um dos lados do corpo e o paciente passa a não mais responder a estímulos do ambiente. Na mielite, há também a perda de força muscular dos membros inferiores, e o doente perde a capacidade de andar. Na síndrome de Guillain Barre, essa perda de força muscular pode ascender, atingindo também os membros superiores. O risco maior é de se chegar a uma deficiência respiratória.

Pacientes diagnosticados com essas doenças neurológicas associadas à dengue, no entanto, não devem preocupar-se demais. Em geral, elas são benignas. "Tratamos as manifestações neurológicas com medicamentos específicos e os sintomas tendem a desaparecer em alguns dias, sem deixar sequelas", tranquiliza a pesquisadora, embora situações mais graves possam eventualmente ocorrer. Ela esclarece ainda que nos casos de Guillain-Barrè associada à dengue, a doença segue durante 15 a 20 dias. Depois desse processo, os pacientes evoluem com melhora e não há quaisquer consequências. "Apenas num único caso de mielite, entre os que estudamos, houve a perda de força nos membros inferiores, que se manteve por um ano, como sequela da doença neurológica", diz.

A pesquisa é parte do projeto "Implantação da rede de biologia molecular no SUS", coordenado por José Mauro Peralta, do Instituto de Microbiologia da UFRJ (apoio FAPERJ, em parceria com MS – Programa PPSUS), e também contou com a participação do microbiologista Mauro Jorge Cabral Castro, do biólogo Luis Cláudio Faria e das neurologistas Cristiane Soares e Regina Alvarenga.

Compartilhar: Compartilhar no FaceBook Tweetar Email
  FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
Av. Erasmo Braga 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 2333-2000 - Fax: (21) 2332-6611

Página Inicial | Mapa do site | Central de Atendimento | Créditos | Dúvidas frequentes